SEJA UM PATROCINADOR: 50,00 - SEMESTRALMENTE

(18) 99702-5883

CONTATO

 

MAPA DO SITE

 

***-***-***-***-***-***-***-***-***

TEMPO NA REGIÃO

***-***-***-***-***-***-***-***-***

 

 

 

 

***-***-***-***-***-***-***-***-***

PORTAL DA PM ARAÇATUBA - SP

02/12/1908 - 02/12/2013 = 105 ANOS

***-***-***-***-***-***-***-***-***

LITERATURA COMENTADA

***-***-***-***-***-***-***-***-***

ESCOLAS LITERÁRIAS

***-***-***-***-***-***-***-***-***

*** LEGENDA DO SITE ***

CONTEÚDOS EXTERNOS

CONTEÚDOS INTERNOS

CONTEÚDOS INTERNOS

***-***-***-***-***-***-***-***-***

LER EXERCITA O CÉREBRO!

***-***-***-***-***-***-***-***-***

RECANTO DAS LETRAS

Textos de Pedro César Alves

.

Pedro César Alves, Cadeira 199 (desde2002)

 

 

***-***-***-***-***-***-***-***-***

***-***-***-***-***-***-***-***-***

RELÓGIO DE PÊNDULO

Click na imagem acima e leia o conto "RELÓGIO DE PÊNDULO", premiado no 26º Concurso de Contos 'Cidade de Araçatuba' / 2013.

***-***-***-***-***-***-***-***-***

CONCURSOS LITERÁRIOS

***-***-***-***-***-***-***-***-***

RECONHECIMENTO

TROFÉU ODETTE COSTA - 2011

Troféu 'Odette Costa - 2011'

- por 'Divulgação Cultural'

.

VOTO DE APLAUSOS

No dia 13/02/2012, às 19h, na Câmara dos Vereadores, em Araçatuba, recebi 'Voto de Aplausos', indicado pelo Vereador Prof. Cláudio, e subscrito pelos onze vereadores - pelos relevantes serviços prestados junto à comunidade, através do Programa Escola da Família e 1º CulturArte/2011, na EE "Dr. Clóvis de Arruda Campos" - Paraisão.

.

REVISTA

Revista 'Plural', da Academia Araçatubense de Letras, 20 anos, 2012.

Participação do prof. Pedro César Alves, p. 125/126,

Texto: "Caminhar faz crescer"

 

***-***-***-***-***-***-***-***-***.

ARQUIVOS EM PDF

 

CRÔNICAS 2011

CRÔNICAS DE JUNHO

CRONICAS DE MAIO

CRÔNICAS DE ABRIL

CRÔNICAS DE MARÇO

CRÔNICAS DE FEVEREIRO

CRÔNICAS DE JANEIRO

CRÔNICAS 2010

CRÔNICAS DE DEZEMBRO

CRONICAS DE NOVEMBRO

 

***-***-***-***-***-***-***-***-***

SITES DE AMIGOS

SITE - DICIONÁRIO

Prof. Mário César Rodrigues

***

SITE TELESCÓPIO - ARAÇATUBA

Leiam 'Site Telescópio' (Everi Carrara)

***

RESTAURAR - ARTE SACRA

Conheça o blog acima... e veja como toda arte pode ser restaurada...

***

Leiam 'Cia dos Blogueiros'

***

 

REFLITA UM POUCO...

 

..***-***-***-***-***-***-***-***-***

 

SITES INTERESSANTÍSSIMOS

ACORDO ORTOGRÁFICO

CONJUGADOR DE VERBO

LIVROS DE DOMÍNIO PÚBLICO

MUSEU VIRTUAL DE BRASÍLIA

MÚSICAS - 100 MAIS EM 100 ANOS

PORTA-LIVROS

RESUMOS LITERÁRIOS

RESUMOS LITERÁRIOS DE A - Z

VIAJAR PELO MUNDO? ACESSE.

.***-***-***-***-***-***-***-***-***

1ª CulturArte 'PARAISÃO'

PROJETO PARAISÃO - 2011

 

.***-***-***-***-***-***-***-***-***

Praça do Guanabara:

Pedro César e filhos: Júlio e Carol.

***

Dia 15/5, domingo, na Virada Cultural, o escritor Ignácio Loyola Brandão ministrou excelente palestra no Teatro Municipal "Paulo Alcides Jorge". Antes, houve apresentações de membros do Grupo Experimental e da Academia Araçatubense de Letras.

.

EM 2014:
"Se existir guerra, que seja de travesseiro; se for pra prender, que seja o cabelo; se existir fome, que seja de amor; se for pra atirar, que seja o pau no gato-t-ó-tó; se for para esquentar, que seja o sol; se for para atacar, que seja pela pontas; se for para enganar, que seja o estômago; se for para armar, que arme um circo; se for para chorar, que seja de alegria; se for para assaltar, que seja a geladeira; se for para mentir, que seja a idade; se for para algemar, que se algeme na cama; se for para roubar, que seja um beijo; se for para afogar, afogue o ganso; se for para perder, que seja o medo; se for para brigar, que briguem as aranhas; se for para doer, que doa a saudade; se for para cair, que caia na gandaia; se for para morrer, que morra de amores; se for para violar, que viole um pinho; se for para tomar, que tome um vinho; se for para queimar, que queime um fumo; se for para garfar, que garfe um macarrone; se for para enforcar, que enforque a aula; se for para ser feliz, que seja o tempo todo; se for pra cheirar que seja a flor; se for pra fumar que seja a cobra; se for pra picar que seja a mula.” - - enviado por Carlito Lima.

.***-***-***-***-***-***-***-***-***

PUBLICAÇÃO DE TRABALHOS

A ESCOLA COMUM E A INCLUSÃO

OBS.: Se você precisa publicar algum trabalho para obtenção de notas para o seu Curso Superior, entre em contato!

TROFÉU ODETTE COSTA - 2011

LER É O MELHOR CAMINHO

(18) 99702-5883

O MUNDO ESTÁ EM CRISE, NÓS ESTAMOS EM CRISTO!

VALORIZE A EDUCAÇÃO E A CULTURA

BEM-VINDO

PEDRO CÉSAR ALVES

Prof. Pedro César Alves tem um livro impresso ('Os momentos marcantes dos pequenos aventureiros', publicado em Birigui/SP), participações com contos, crônicas e poesias em coletâneas e livros on-line.

'Com amor, paciência, fé e força de vontade se constrói castelos literários que perduram na eternidade!'

 

LIVROS DO PROF. PEDRO CÉSAR - BAIXE-OS AQUI

POESIAS DO PROFESSOR 1999-2014

 

AGENDE-SE

 

PUBLICAÇÃO NA COLUNA "ESCREVER... é arte"

CRÔNICA SEMANAL PUBLICADA EM JORNAL EM 2014

CRÔNICA SEMANAL PUBLICADA EM JORNAL EM 2013

CRÔNICA SEMANAL PUBLICADA EM JORNAL EM 2012

CRÔNICA SEMANAL PUBLICADA EM JORNAL EM 2011

CRÔNICA SEMANAL PUBLICADA EM JORNAL EM 2010

 

CRÔNICA NÃO PUBLICADA EM JORNAL EM 2013

CRÔNICA NÃO PUBLICADA EM JORNAL EM 2012

CRÔNICA NÃO PUBLICADA EM JORNAL EM 2011

 

LEIA: UMA LOCOMOTIVA CHAMADA POESIA

 

CURSOS 2014

Os CURSOS podem ser solicitados diretamente à Oficnia Cultural "Sílvio Russo", fone (18) 3625-5357, com sr. Douglas / Sr. Nicolau. É uma parceria entre Secretaria Estadual de Cultura e Municípios.

01 – O FOLHETIM E A COMUNIDADE (aplicabilidade do Jornal impresso e on-line) = 20 horas;
02 – AS FÁBULAS DO SÍTIO PRESENTES NA CIDADE (Fábulas, de Monteiro Lobato) = 04 a 08 horas;
03 – HISTÓRIAS INCRÍVEIS (Continuação do Projeto ‘Literatura Fantástica’/2º Semestre/2013) = 08 horas;
04 – AS CANTIGAS DE RODA E SUAS MUDANÇAS = 04 a 08 horas;
05 – A POESIA DE CECÍLIA MEIRELES E A POESIA DA COMUNIDADE (autores regionais) = 04 a 08 horas;
06 – A CONSTRUÇÃO DO MUNDO VIRTUAL LITERÁRIO = 08 horas.

 

VENCENDO ATRAVÉS DA FÉ

Se há uma razão que nos faz viver – esta razão chama-se fé. E está escrito que é impossível alcançar as coisas se não tivermos fé, logo, esta é um pilar que nos sustenta. Sendo assim, nestes dias em muitas religiões os fieis estão em jejum e contínuas orações que, pela fé, chegam ao Criador. Chegando ao Criador que estende às mãos e dá a cada um segundo o seu coração, segundo o seu merecimento.
Estamos chegando dia a dia aos pés do Criador. O homem como tal que é, necessita e com urgência, da paz divina. A Páscoa – palavra hebraica (‘pessach – passagem’) – para os hebreus significava o fim da escravidão e o início da libertação do povo judeu que foi marcado pela travessia do Mar Vermelho. Para os cristãos, a Páscoa é a passagem de Jesus Cristo da morte para a vida: ressurreição. A passagem de Deus entre nós e a nossa passagem para Deus – que é tido como uma grande festa. 
Partindo para a simbologia que os povos trazem em suas crenças e tradições, e dos mais antigos tempos, o ovo é o mais esperado – principalmente pelas crianças – e hoje em chocolate! O ovo traz a ideia do começo da vida. Outro símbolo é o coelho – que traz o sinal de fecundidade, ou seja, representa a Igreja que, pelo poder de Cristo Jesus, é fecunda em sua missão de propagar a palavra de Deus a todos os povos.
Vale lembrar aqui um dos símbolos mais antigos: o cordeiro, que foi colocado para estabelecer aliança entre Deus e o povo. O círio pascoal – uma grande vela que se ascende na igreja, no sábado de aleluia, que significa que Cristo é a luz dos povos. Vale ressaltar também o girassol, que representa a busca da luz que é Jesus Cristo (a flor girassol sempre busca o sol). O pão e o vinho, respectivamente o corpo e o sangue de Cristo que deve ser feito constantemente para lembrar o mártir na cruz – e cada religião entende um jeito de fazer – refiro-me ao tempo. Outro é o bolo em forma de pomba (colomba pascoal), que significa a vinda do Espírito Santo.
E, para encerrar os símbolos, em muitas igrejas, na manhã de domingo – no dia da Páscoa, soam os sinos alegremente: anunciam as celebrações – anunciam a ressurreição de Jesus Cristo. Logo, devemos pensar que o Mestre dos mestres nasce/ressuscita todos os dias em nossos corações, basta-nos apenas ter fé e sermos dignos de tamanha graça diante do Criador.
Voltando para a razão, o ser humano está precisando de fé, está precisando acreditar mais em seu Criador. Acreditar mais em seu Criador significa, também, acreditar mais em si – pois foi feito à semelhança de seu Criador. Logo precisa acreditar em seu semelhante. Acreditar em seu semelhante nada mais é do que acreditar em si e em seu Criador. Torna-se um círculo.
Vale lembrar que o assunto religião não se brinca, religião se pratica e sem discussões. Independente da religião que se segue há de ser ter o respeito. Muitas pessoas comparam e acabam dizendo que certas coisas na vida não se podem comparar – pois a comparação pode levar a brigas intermináveis. Temos consciência. E a exemplificar: há países que a religião é tão dominante que há constantes conflitos internos – a briga pelo poder.         
A política é outra situação que não se briga – apenas devemos praticá-la corretamente, de forma democrática, sadia. Em tudo há os excessos e é isto que leva o ser humano à crueldades: os excessos. Tudo feito de bom senso não é nocivo. Tudo feito na paz, no amor, produz bons frutos. É sabido que a teoria é mais fácil que o fazer, mas está na hora de dizer um basta à violência e começar a praticar muito a paz e, para isso, basta ter fé. 19/04/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES

 

EMOÇÕES E DÚVIDAS

Não sei dizer direito, mas creio que a emoção está entre as características que mais mexe com o ser humano – creio que mais que ela – mas num sentido negativo, fica a dúvida. Ter dúvida leva qualquer um ao desespero e, por consequência, a tomar decisões precipitadas, ou não. E, nestes casos, o que fazer de verdade para que tias decisões não sejam tomadas?
Sentir-se emocionado pode ser um estado de alma um pouco elevado, ou até muito elevado – talvez o ser humano não compreenda o real significado – eu, como humano, também não compreendo, apenas faço reflexões sobre o assunto. Às vezes fico a pensar nas emoções do dia a dia e pouco concluo. Agora convido o leitor também a fazer reflexões.
Às vezes concluo que o pobre coração humano não aguenta as emoções se estas acontecerem constantemente. Os batimentos cardíacos se elevam e, consequentemente, tudo se eleva e o resultado pode ser não o esperado: pode causar transtornos. Transtornos, às vezes, de certo modo irreversíveis. Mas é o fim de toda humanidade. A única certeza que temos.
Agora, terrível mesmo deve ser a dúvida – deve ser não, é. Machado de Assis – um dos maiores escritores brasileiro e fundador da Academia Brasileira de Letras – em seu livro publicado em mil e novecentos, o clássico Dom Casmurro, deixou-nos o que mais o ser humano teme – a dúvida. Houve ou não houve traição? Bentinho foi traído, ou não?
Será que Capitu o traiu? Ou será que é apenas uma colocação de um ‘velho, talvez um pouco rabugento’, que não se contenta em receber da vida o que lhe proporcionou? De um ser que não conseguiu seguir o próprio caminho – como deixou escrito: não uniu as pontas da vida. E ainda: ficou só em seus dias finais.
E falar em unir as pontas da vida – quem será que consegue uni-las? Ou, será que a escrita ali presente representa a realidade e condição única do ser humano? Creio que sim – pelo menos para este que vos escreve. Realidade porque no espaço de tempo muitas coisas se perdem e condição única do ser humano por ser uma criatura pensante – se estou certo? Não sei.
Então, como a dúvida é a maior crueldade presente na vida do ser humano – como resolvê-la? Ir atrás? Ou morrer com a dúvida a pender dores em gotas aos sentimentos como um todo? Eis a questão! Dúvida, cruel dúvida! Quem a sanará perante os olhos dos homens? Diga-me, senhora Dúvida, como a persuadir a contar-nos a verdade?
Se voltarmos ao livro em questão – creio que Machado de Assis está a revolver no túmulo. Um enigma que, pelo menos pelo meu ponto de vista, jamais será resolvido. Fiz, em determinado ano de meu trabalho, um tribunal para julgamento de Capitu. Interessante: todas as acusações que sobre ela pairaram não foram ‘provadas’. Sentença final – absolvida! Faltam provas.
Assim é a vida ao propor-nos certas questões. Dá-nos emoções, mas também dá-nos muitas dúvidas – ser ou não ser acaba sendo a questão, ou seja – acredite ou não, e se quiser. Às vezes dizemos  que o tempo esclarece as dúvidas, mas nem sempre o senhor Tempo consegue esclarecer.
Logo, ter emoções faz parte da vida do ser humano, mas ao mesmo tempo temos – ou nos é dado, proporcionado, muitas dúvidas. E como saná-las? Aí reside toda a questão que nem mesmo o senhor Tempo consegue esclarecer. E morremos na dúvida – aliás, por isso somos humanos. 12/04/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES

 

AS ESCOLHAS NA HORA DE ESCREVER

Na hora de escrever – o que realmente escrever? Ou sobre o que escrever? Ou, ainda, simplesmente olhar para o papel em branco e ficar por mais de horas pensando o que escrever – então, qual a solução?
Outras vezes deparamo-nos frente a temas que professores passam e, por mais que somos conhecedores destes e por mais que os professores discutam o assunto, as dificuldades aparecem – e o papel continua em branco. Então, está na hora de fazer o quê?
Há muitos meios de começar a pensar sobre o assunto – e um dos primeiros é ter o hábito de escrever diariamente. E não pense de imediato em escrever histórias fantásticas, que vão mudar o mundo, mas escreva o que lhe veio à mente – a ideia do momento.
Mais um passo importante: decidir sobre qual gênero quer escrever e, a partir da escolha, leia tudo que lhe cair em mãos sobre o gênero. E pense bem: o escritor (o que trabalha com a palavra) não é obrigado a dominar tudo, mas ter conhecimento de tudo faz bem.
Outro fator importante é ler as obras dos autores que você gosta. Lendo-as, reflita: por que gosto deste autor? O que ele tem que me fascina? Qual o estilo que ele desenvolve que, aos poucos, posso buscar semelhança? Antes de escrever, emocione-se (pense: o que o faz emocionar?).
Esqueça, um pouco – e principalmente no começo, a autocrítica. Neste momento inicial de sua criação, faz-se necessário ter liberdade criativa. Ou seja, deixe fluir e depois de algum tempo faça a revisão. Lembre-se: nunca um texto está acabado no primeiro momento.
Em Literatura existe a busca da perfeição – é verdade, mas no início de uma produção ser perfeccionista pode causar um ‘retardamento’ na produção dos textos. Logo, deixe fluir uma grande quantidade de escritos, pois a seleção virá com o tempo.
Já pensou no tempo que você escreve por dia? Segundo alguns estudiosos, o interessante é cronometrar o tempo e a partir dele fazer pequenas avaliações nos progressos. Ou, esqueça totalmente o relógio e dedique-se a escrever enquanto fluem os pensamentos – mas sobre o tempo é fundamental pensar para evitar complicações corporais.
O interessante, principalmente para quem lê, é sentir-se instigado através das ações dos personagens – descrever é um exercício difícil, pois ao descrever tem que fazer o leitor realmente sentir a mais pura verdade. E não se esqueça: use figuras de linguagem.
Quando realmente pensar em colocar no papel as ideias, antes há um passo a fazer: compartilhe com os de mais perto para se ter uma noção de suas ideias. Talvez, para você, elas são suficientemente boas, mas no fundo pode não ser – ou o contrário. Logo, para não se perder tempo, o melhor é testá-las.
E, para terminar estas dicas que citei aqui – que as colhi navegando por vários sites da rede mundial de computadores – li-as, degustei-as e as coloquei aqui a partir do meu ponto de vista, aprenda a criar: pequenas frases, pequenos parágrafos, pequenos capítulos, pequenas histórias e assim, pouco a pouco, vai se alargando a produção. Eu, Sempre tentei colocar metas a serem alcançadas em minhas histórias – algumas deram certo, outras não; desistir - nunca! 05/04/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES

 

PRODUÇÃO EM TEMPO INTEGRAL

Às vezes fico a imaginar, através dos desenhos que encontro pelas páginas dos livros, revistas, jornais, blogs afora, como a vida é para cada um. Alguns a colorem mais, outros menos e, eu sonhador que sou, fico aqui a sonhar as inúmeras possibilidades de interpretação. As inúmeras possibilidades de pintar o arco-íris.
O livro, principalmente ele – dos citados acima, companheiro constantemente em minhas mãos, a folheá-lo, atiço a minha imaginação. Esta atiçada, as palavras começam a desembaralhar, as ideias começam a emergir formando possíveis frases, possíveis períodos, possíveis histórias. Pequenas e grandes histórias que registram o meu caminhar.
Fico a imaginar: o que será que um garoto de cabelos claros faz ao lado de uma garota ruiva segurando um gato preto, de patinhas brancas? Posso imaginar dezenas, centenas de coisas – ou não. Neste caso o leitor também pode e deve imaginar e viajar nas diversas possibilidades de interpretação que a minha imaginação lhe forneceu.
E que tal colocar tais personagens num mural cheio de bilhetes – de bilhetinhos alfinetados feitos borboletas espetados no isopor pelo colecionador? O que será que os bilhetes, bilhetinhos, trazem de importantes? Recados de quem? Ou, para quem? Ou, simplesmente do garoto de cabelos claros para a garota ruiva, ou da garota ruiva para o garoto de cabelos claros?
Reparei que em um bilhete havia sido colocada uma bruxa em sua longa vassoura: voando. Sobre ela: pássaros – muitos pássaros. Na linha do horizonte, bem longe, trabalhadores rurais mexiam à terra; em volta muito verde cortados com estreitas estradas de chão batido que davam em pequenos castelos rodeados de pequenas casas.
Lá no fundo uma torre – não uma torre qualquer, mas uma torre bem alta. E lá no alto o relógio que marcava horas e mais horas sem parar – sobre este, a cruz. Entre eu e ela, um riacho – uma ponte e sobre ela cidadãos pescavam sob longos chapéus escondendo-se do sol – que, mesmo amigo, traz as suas consequências sobre os menos avisados.
O colorido por toda parte aos meus olhos era maravilhoso! É maravilhoso ainda! Podiam falar o que quisessem falar, que não me importava, pois ali eu nascera, crescera e, agora, via os meus dias próximos do fim a terminarem no mais absoluto deleite. No mais absoluto recolher dos anos que não voltam mais – sem jamais atá-los.
Talvez, ou não, até não fosse tudo isso que guardo em minha memória, mas é mais do que fascinante as minhas recordações (e não são poucas!) – desde pequenas coisas até os mais ilustres acontecimentos que jamais serão apagados das minhas retinas. E seus cidadãos, por excelência. Sim, estes jamais poderão ficar de fora.
E seus ilustres cidadãos faziam (e fazem) do lugar algo a mais – não apenas cidadãos, mas seres recheados de valores, de sentimentos e emoções que marcaram cada lugarzinho deste meu canto que cabe não apenas no papel, mas nos bons corações daqueles que, de um jeito ou de outro, marcaram o meu viver nesta terra de chão batido.
 Volto à realidade e encontro-os a murmurarem – e lá no fundo ouço que ‘ele estava viajando nas imagens do livro’. Aceno positivamente com a cabeça, descanso o lápis na mesa. ‘Correção, crianças!29/03/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES

 

INTERNET VICIA

Outro dia estava a ler a Revista Filosofia, Ciência & Vida, edição de número 91, de fevereiro de 2014, e um artigo chamou muito a minha atenção: ‘O cérebro e a Internet’, de João de Fernandes Teixeira, e notei que sou um viciado. E digo mais: talvez um viciado de carteirinha. Um cidadão que sente falta do estar conectado.
Sou um viciado e digo que sou porque sou – e a partir do que li no artigo volto a confirmar a minha citação. Veja bem: nos últimos dias passei uns dias sem acesso à Internet e senti falta. Para quem está acostumado a ficar conectado o tempo todo que está em casa, ficar alheio a tudo é como que estar nu entre a multidão – ou algo parecido.
Abrir os e-mails a procura de boas mensagens é um ato normal – pelo menos pra mim, e creio que deve ser para boa parte dos usuários da internet. Não o fazer nos dias em que me vi desconectado era quase o mesmo significado de não trocar de roupas. Ah, não poderia deixar de lado as redes sociais que, diariamente, eram acessadas. E os jogos on-line? Textos e fotos postadas para serem curtidas – ou lendo postagens de amigos para curti-las, comentá-las, compartilhá-las.
Lendo o artigo, vale citar e afirmar o que diz o autor: a internet roubou o nosso tempo; a internet está destruindo o nosso imaginário – e tal fato já fora alertado por médicos, psicólogos e cientistas: é o perigo digital. Tal perigo pode ser comparado às pessoas compulsivas por determinados jogos, por exemplo, o jogo de azar. Ainda acrescenta que tal situação, principalmente aos de pouca idade, os tornam superficiais – e até mesmo podendo causar déficit de atenção.
E lendo fiquei intrigado com as respostas apresentadas aos motivos de a internet nos tornar viciados. Concordei com ambas as respostas, mas fiquei pensando nas necessidades da atualidade e adicionei o meu parecer também. Uma delas diz que ‘há quem diga que a busca constante de novidades na tela ou nas caixas de e-mails acaba associando com a produção da dopamina – um neurotransmissor que produz a sensação agradável de recompensa e prazer’.
A outra hipótese: ‘A internet é a tecnologia mais neuromórfica que já foi inventada. Ou seja, ela é extremamente parecida com o cérebro humano. Sua arquitetura é parecida com uma imensa rede neural’. Tudo isso, para mim, é muito interessante – então: como desvencilhar de tal rede? Estar na rede é como estar dentro de um grande cérebro humano – é uma sensação de ‘viagem’. Neurônios e mais neurônios se ligando... Links e mais links se ligando... Intermináveis!
Mas, antes de fechar este texto – que está apoiado em dados científicos citados pelo autor supracitado – dou a minha opinião: a internet acaba sendo um mal necessário para muitos – incluo-me, apesar de ter, em parte, afastado a família das conversas diárias. Explico: às vezes conseguimos informações tão rápidas que, se fôssemos procurá-las, tomariam muito de nosso tempo. A vida, nos dias atuais, pede rapidez em todos os setores. O tempo é fugaz.
Do artigo que li – e convido os leitores a lê-lo, ficou-me a sensação de que quanto mais tecnologia na vida, menos experiência de mundo, principalmente se esta for à frente de uma tela de computador. E o autor termina com uma afirmação do grande Einstein: ‘No dia em que a tecnologia ultrapassar a interatividade humana, o mundo terá uma geração de idiotas’. E não estamos distantes. 22/03/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES

 

A VITÓRIA É PRA QUEM ACREDITA

Creio que grande parte da população acredita em um Ser Superior. Para alguns – através da fé – alcançam seus milagres, suas vitórias. Toda religião benéfica prega a o milagre a partir da fé. A palavra benéfica foi colocada aqui propositalmente por mim. Por isso que está escrito que a fé remove montanhas.
A fé é o caminho para todos os problemas, inclusive para alcançar a tão cobiçada vitoria. Somente aquele que acredita que poderá alcançar – quem não acredita (porque não tem fé), não acredita mesmo e está a passear sobre a terra. Vaga sobre ela sem direção. Não há boas perspectivas para estes. Vale lembrar que o ser humano tem a necessidade de vencer.
Acreditar, como está escrito nas sagradas letras, é estar ligado ao Ser Superior e n’Ele confiar completamente. Completamente – quero dizer: de corpo e alma. E sem pestanejar em momento algum. Não é apenas falar que tem fé, é preciso ações que demonstrem o que é capaz de fazer após as batalhas enfrentadas.
Feliz é o homem que luta pelos seus ideais, pelas suas conquistas, pois somente elas enobrecem o ser humano. Eu tenho fé, eu acredito que hoje é mias um dia de vitória em minha vida. Digo assim porque mui grandes coisas fez-me o Ser Superior. Digo assim porque mui grandes coisas o Ser Maior – Deus – está a fazer em minha vida.
E estas grandes coisas são dádivas a meu favor, assim como – por exemplo – que filhos são bênçãos, mesmo dando todo o trabalho que dão. Aprontam sempre, mas são filhos – sempre os perdoamos. Perdoamos sempre acreditando que poderão melhorar, e muito. Por acreditar que poderão melhorar um dia, os perdoamos sempre.
Hoje, como nunca, as bênçãos derramam sobre mim. Eu acredito que somente o Ser Maior nos dá este direito de saboreá-las. Assim, se você também acredita, também poderás recebê-las, basta ter o principal ingrediente: fé. Lembrando que a partir da fé poderemos remover montanhas – e estas montanhas podem ser os problemas que enfrentamos a cada dia, as lutas.
A vitória pode vir a nosso encontro, pois, conforme ditado antigo: quanto mais se quer, pede-se mais, pode-se mais, tem-se mais. Assim somos nós nos dias atuais: devemos fazer a nossa parte, mas sem jamais esquecer que a fé é um passo importante. Tão importante que é a partir dela as grandes conquistas em nossas vidas.
Cada um, por sua vez, procura a vitória onde tem mais interesse em vencer. Assim, o ser humano busca constantemente estar ligado ao Ser Maior – a Deus. E somente a partir d’Ele que se tem tudo o que deseja – inclusive o direito de viver. E viver deve ser uma das grandes paixões que devemos carregar nos ombros, e sem desanimar.
Cedo ou tarde – dependendo do ponto de vista de quem está dentro, ou do ponto de vista de quem está de fora, somos mais que vencedores. Somos tão vencedores que estamos a escrever, a ler e a propagar a fé cristã – a fé em Jesus Cristo. Aqui me remeto a um trecho bíblico que diz que o choro pode demorar uma noite inteira, mas a alegria vem pela manhã – basta ter fé! Basta acreditar! Basta sempre ter pensamentos positivos e acreditar que dias melhores virão: sempre! 15/03/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES

 

O BRASIL COMEÇOU

Alguns dizem que no Brasil tudo começa após o carnaval, verdade ou não, o carnaval já passou. Em Araçatuba quem levantou a taça foi a Escola de Samba Unidos da Zona Leste, do presidente Jacques Lima Pétia, atingindo 176 pontos, sagrando-se Campeã com o enredo ‘Crendices e Supertições’. A vice-campeã foi Sonho e Fantasia, seguida de Virada do Sol e Caprichosos. A Acadêmicos dos Araçás alcançou a pontuação necessária e estará no Grupo Especial em 2015.
Finda-se a primeira semana de março e a luta continua em busca de resultados, ou seja, tendo em vista que o Brasil começa a engrenar, o que fazer primeiro? Deve ficar bem claro ao leitor que o Brasil não para, apenas dizem. Aliás, começa, mas logo para: futebol. Futebol ficará para outra ocasião – e ocasiões não faltarão.
Agora, aliás, abrindo os jornais nota-se a preocupação dos partidos políticos em busca de nomes de prestígios, e até mesmo de alianças para as disputas eleitorais que acontecerão em outubro deste ano. Buscas pra cá, buscas pra lá, nomes daqui, nomes dali, alianças em formação e nada certo – nada resolvido, nada definido. Interesses...
Interesses... De quem? Do povo brasileiro? Do povo brasileiro? Do povo brasileiro de verdade? Ou de poucos brasileiros? – De quem está com propósitos nada satisfatórios ao que diz o dicionário quando se refere ao termo democracia.
Falando em política, caro leitor, você já realizou a sua política de hoje? E não adianta dizer que não gostas de política, pois todo momento o ser humano faz política – e seria bom começar, se possível, pela política de boa vizinhança.
O ser humano – pelo menos parte dele, diz que não gosta de política. Gostar ou não é uma questão de ‘veja bem’: dependendo da política, ou do político no poder, se tem uma visão de melhores ou piores dias. Por mais que se tenha esperança, está claro que não há dias melhores em sua plenitude, e por mais que se queira que este seja melhor. O Homem está corrupto – inclusive em seus pensamentos. Ou seja: o homem nasce original e morre cópia.
O ser humano pensa em parceiros com poderes, mas este – quando passa a exercer determinados cargos políticos – eleitos pelos seus pares, esquece que está para servir, e não para ser servido, e passa a abusar do poder que lhe é concedido. E passa a exercer frases de efeito – bonitas, mas em sua plenitude estão vazias.
Então, os olhos abertos nos próximos meses se fazem necessário – votar é sinal de cidadania, mas exercê-lo de forma não pensada é a pior das cidadanias que se pode ter notícia! Logo, está na hora de esquecer de que gosta ou não de política, mas abrir os olhos e os ouvidos para não ser enganado.
Assim, fechando estas linhas, o carnaval passou e o Brasil, melhor, os brasileiros – nós, caro leitores, devemos acordar para a nossa grandeza, esquecer os berços esplêndidos e sair em busca do nosso lugar ao sol – mas um sol repleto de realizações. Uma vida cheia de conquistas, de grandes realizações: é para isso que estamos aqui neste planeta Terra. 08/03/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES

 

FESTA POPULAR EM ARAÇATUBA

Mais um ano às portas do carnaval – uma festa muito popular que traz muitas tradições em sua trajetória. E, para começar a falar desta festa, a melhor opção é procurar nos arquivos que a internet nos proporciona.
Entre as diversas referências, cito: o carnaval é considerado uma das festas populares mais animadas e representativas do mundo. Tem sua origem no entrudo português, onde, no passado, as pessoas jogavam uma nas outras, água, ovos e farinha. O entrudo acontecia num período anterior à quaresma e, portanto, tinha um significado ligado à liberdade. Este sentido permanece até os dias de hoje no Carnaval. 
No final do século XIX começaram a aparecer os primeiros blocos carnavalescos, cordões e os famosos corsos – desfiles de carruagens no carnaval, sendo que este último com maior força no século XX (as pessoas enfeitavam a si e a seus carros e, em grupos, desfilavam pelas ruas da cidade – origem dos carros alegóricos, típicos das escolas de samba atuais).
Com o passar do tempo, com a chegada das marchinhas carnavalescas, o carnaval deu um grande impulso – o carnaval passa a ser mais alegre – mais animado. A primeira escola de samba surgiu no Rio de Janeiro e chamava-se Deixa Falar, criada pelo sambista Ismael Silva – mais tarde tornou-se a escola de samba Estácio de Sá. A partir daí o tempo passou, novas escolas surgiram, estas se organizaram em Ligas de Escolas de Samba, surgiram os primeiros campeonatos para verificar qual escola de samba era mais bonita, mais animada.
Em Araçatuba, por meio da Secretaria Municipal de Cultura e da Assessa (Associação das Escolas de Samba de Araçatuba), será realizado nos dias dois e três de março, o tradicional desfile das escolas de samba no Recinto de Exposições ‘Clibas de Almeida Prado’ – entrada gratuita. Muitos podem achar que o carnaval em Araçatuba devia manter a tradição e ser realizado na rua, mas segundo os organizadores, no Recinto de Exposições, além de maior comodidade, a segurança é de forma mais efetiva – o que traz maior segurança às famílias presentes.
O tema do carnaval araçatubense tem como tema principal ‘Minha Cidade, Minha Vida, Nossa Copa’ – uma conexão direta com a Copa do Mundo a ser realizada no Brasil. O samba-enredo, de Malcolm Lima, é ‘Araçatuba – cidade encantada’, que diz: ‘Como é bom te amar cidade do araçá / Eu tô que to, eu vou que vou, copa do mundo ta no ar / Quem me vê assim, sempre me vê sorrindo / E o coração no peito explodindo // É o sonho de todo garoto jogar futebol profissional / Me lembro dos meus tempos de criança / Que Araçatuba tinha muita esperança / Com um futebol de primeira divisão / Todo mundo louco pra gritar, “É CAMPEÃO” / Na nossa cidade encantada, é festa! / Vamos celebrar, é copa e o Brasil vai ganhar / Carnaval e futebol, samba no pé eu quero ver / Em ano de copa explode alegria com a nossa seleção / Muito calor e emoção // Vou viajar com muito amor / Quero sonhar um sonho colorido / Tem, tem, tem verde, amarelo, azul anil... / Araçatuba pinta as cores do Brasil’. 
Este ano Araçatuba contará com o desfile de cinco escolas, sendo as quatro tradicionais: Virada do Sol (campeã em 2013), Sonho e Fantasia, Caprichosos, Unidos da Zona Leste. A mais nova escola, Academia dos Araçás (bairro Alvorada), tentará o acesso ao ‘grupo especial’. Compareça e curta mais esta festa popular. 01/03/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES

 

MUITOS SIGNIFICADOS

Que tamanho tem a sua liberdade? Liberdade tem que tamanho para você? Ou, para você, liberdade tem quantos significados? Do que depende a sua liberdade? Ou, de quem depende a sua liberdade? São perguntas que se deve fazer de tempos em tempos.
Assim pensando, posso refletir que liberdade pode partir de um simples poder-fazer, de um poder-querer-fazer até coisas grandiosas onde somas volumosas podem se interagir – somas de valores, ou não. Valores materiais ou não.
Liberdade pode ser o simples fato de abrir os braços ao ar livre e dizer: “Oh! Como Deus é bom em sua infinita bondade!” – ou, ainda, sobre o lombo de um animal percorrer os campos verdes contemplando o revoar dos pássaros que não semeiam nem ceifam, mas são providos de alimentação pelo Criador.
Ter liberdade pode significar, também, chegar a uma biblioteca e escolher a obra que mais lhe agradar – e sem crítica à idade, ao credo religioso, à cor, à raça – ou, seja lá ao que for. O importante é poder escolher.
Ser livre, ainda pode ser, como um bichano esparramado ao sol, ou, quando se sente solitário, entrelaça-se nas pernas dos humanos fazendo-os, às vezes, tropeçar. Em alguns causa até irritação, em outros conduz ao carinho.
Um pouquinho mais de liberdade é sair correndo pelas ruas, campinas, vales, montanhas em dia de chuva – de preferência uma chuva bem fininha, logo a seguir o arco-íris a brilhar no céu, acompanhado de um sol incandescente posteriormente. Uma situação perfeita.
O ato de ser livre – num todo da palavra – é realmente ser livre e não apenas o que manda a constituição de um país onde esta apresenta que todos são iguais perante a lei; onde a Justiça aparece de olhos vendados – igualdade para todos. Fica a pergunta: será que todos têm os seus direitos garantidos – ou não?
Lê-se jornal, assisti-se aos noticiários – e passa a ter uma pluralidade cultural, ou não, de informações, mas, na realidade, o que realmente acontece? Essa pluralidade de informações é verdadeira? Totalmente imparcial? Ou podemos afirmar que boa parte do que nos é passado é manipulado pelos interesses de pequenos grupos? – sem levar em conta o lado pessoal de quem as produziu, pois é difícil se produzir algo sem um ‘dedinho’ no meio.
Manipular não é fácil, mas também tão difícil assim: dê-lhe pão e água que este estará em suas mãos, dê-lhe conhecimento que estarás nas mãos dele. E o povo brasileiro, um povo de baixa formação, está a pedir pão e água. Vale lembrar que a ‘massa brasileira’ não está instruída a pensar – velho ditado: quanto menos conhecimento, mais fácil de governar.
Logo, liberdade abrange vários significados – e a escolha é de quem quer fazer uso dela. Use-a, caro leitor, da melhor maneira possível, antes que cheguem os maus dias e poderás dizer que tens saudades dos dias de tua mocidade. Mas, será tarde, estes nunca mais hão de voltar. Cultive, portanto, a sabedoria – a vida é curta, Curta-a! 22/02/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES   

 

IMAGINAÇÃO A MIL

Nestes dias ando com pouca imaginação, mas quem produz textos precisa entregar o seu material e, tendo ou não imaginação, precisa trabalhar. Às vezes ligo a televisão em busca de assuntos, às vezes abro o jornal na busca de assuntos interessantes para introduzir no texto, mas – como produtor de texto, sei que é necessário escrever.
E, entre os assuntos que andei burilando, veio-me – neste momento – as Olimpíadas de Inverno de Sochi, na Rússia. Fico encantado com a patinação no gelo. Como deve ser difícil chegar a coreografias maravilhosas, com saltos encantadores! Outro sim, como deve ser ruim quando caem, pois são tantas horas de treinamento, de esforço e, de repente, um tombo – mas sacode o gelo (se assim posso dizer) e, de rosto sorridente retoma a apresentação. Muita habilidade na execução do programa – itens apresentados.
Estou, neste momento, observando alguns patinadores. Show sobre lâminas! Só de olhá-los fico tenso, pois parece que vão desabar – mas é um trabalho de coreografia maravilhoso – são sequências muito bem realizadas, são combinações muito bem executadas. Nota-se que o atleta – um verdadeiro artista, busca a perfeição na forma: show!
Ao assistir as belíssimas apresentações, mesmo com os tombos – que fazem parte do espetáculo, me lembrei de várias canções que muitas vezes gostava de curtir. Lembrança dos tempos de quando ainda tinha poucos anos; da minha juventude. Voltar no tempo através das belíssimas canções cria certa nostalgia – mas tudo vale a pena: não tenho a alma pequena.
Como disse: não tenho a alma pequena – fico até alta madrugada assistindo porque realmente vale muito colorir os olhos. Até descobri que há brasileiro na patinação artística – que foi adotado por uma família francesa, hoje naturalizado francês com o nome de Florent Amodio. E este fez um verdadeiro show. Muito bem capacitado!
Mas, voltando ao processo de imaginação, de criação, vale deixar registrado que escrever é uma arte, e, por ser uma arte, é necessário que o artista trabalhe muito a arte de criar – ou seja, que trabalhe muito o processo de reescrever. A reescrita faz com que o leitor deguste bem mais a produção apresentada.
Por outro lado, será que o leitor – o senhor, a senhora, você mesmo que está lendo estas linhas – realmente se debruça num texto para examiná-lo a fundo e sugar o máximo do que é passado? Ou simplesmente nada troca de comentários – mesmo que entre familiares, ou no ambiente de trabalho, ou igreja? Coloco-me, às vezes, no lugar do leitor e sei que, mesmo após a publicação, tenho de desejo de mudá-lo – tento exigir mais de mim.
Logo adiante colocarei ponto final neste texto, mas antes convido você, caro leitor, a dar asas a sua imaginação e criar o seu texto – mesmo que de forma mental. Sei que crias mentalmente suas histórias – parabéns, mas esforce e passe-as para o papel, ou diretamente para o seu computador – é uma boa para relaxar. Use a imaginação – imaginação a mil por hora! 15/02/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES   

 

CALOR... SÓ UM POUQUINHO

Estou quase aceitando o que publicam num tal facebook quando afirmam que as estações estão mudadas. É fácil afirmar – e comprovar? Mais fácil ainda – e sem muitos exageros. Se duvidar, ovos fritam no asfalto, como diriam muitos.
Parece-me que a nossa região ferve – e somente com ar condicionado para melhorar: e tome conta alta de energia. Não existe alternativa: pagar o preço de se ter melhores condições de vida. Tenho dó das que não possuem o mínimo possível para isso.
Eu trabalho no período da manhã em salas de aula com ar condicionado. No período da tarde não (afirmam que é possível ter os aparelhos de ar condicionado para isso, mas não oferecem porque as redes elétricas das escolas não suportam, estão ultrapassadas – por que não alterá-las?). É como afirmei num determinado texto: salas com uma ou duas pessoas possuem refrigeração e salas com 30 adolescentes cheios de energias não! Que contraste! Que desajuste!
Creio que a temperatura esta semana ficou tão elevada não sei a quanto chegou, mas percebia-se que, ao tocar os objetos, estes pareciam que havia fogo por trás. A água da torneira fervia! Parecia que tinha acabado de sair – e de poços artesianos, como o do jardim Ipanema – que a caixa d’água parece estar sempre pegando fogo!
Falando ainda em temperatura, carros com ar condicionado não é mais luxo, mas necessidade. E necessidade de primeira linha – ou quase. E um exemplo: levanto cedo, tomo o meu banho, o meu café e dirijo ao trabalho – o ar do automóvel tem que estar ligado, caso contrário, ai chegar ao trabalho não me sinto confortável. Logo, aqui segue um conselho: troque o filtro do ar, no mínimo, de duas a três vezes ao ano.
E, se pensarmos em brincar um pouco com os fenômenos da natureza, pode-se afirmar que, com toda essa loucura de tempo, a água do aquário esquentou tanto que ferveu e cozinhou os peixes. Pode até ser engraçado, mas não estamos longe de isso acontecer.
Passando para um plano diferente, o ser humano precisa muito de calor, mas de calor humano. Este, quando não se faz presente, qualquer relação humana é impossível. O calor humano emana da alma, vem do fundo. Faz a gente se sentir bem. Faz a gente se sentir amado.
E, pensando num plano mais alto ainda, precisamos de calor que vem de um Ser Superior – Deus. Mas precisamos de fé para alcançar tais benefícios. Estes, quando alcançados, no leva a quase a nossa totalidade existencial e conseguimos quase total plenitude em realizações.
Fechando: de todos os males, talvez o calor nesta baixa terra seja o menor, pois está prometido àqueles que não se entregarem em sua plenitude ao seu Criador um calor muita vezes maior que este – um calor que nunca se apagará! 08/02/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES   

 

GRANDES JOGADAS

A vida proporciona grandes jogadas, e não estou falando apenas dos esportes – ou em específico de um esporte de massa, o futebol, por exemplo – mas de outras circunstâncias que a vida proporciona. E as goleadas aplicadas pela vida sem sempre são a favor, às vezes, contra. Não temos o poder de decidir sempre; não é possível ganhar sempre.
É sabido que no futebol, como em qualquer esporte, temos alguns recordes a serem batidos – cito como exemplo: os dois gols olímpicos que Ary Mantovani, do Palmeiras, marcou numa única partida contra a Portuguesa Santista, pelo Campeonato Paulista de 1946 – em pleno Parque Antarctica. E falando em Parque Antarctica, vale lembrar uma das maiores goleadas: Palestra Itália 8 x 0 Corinthians, em 1933.
Já em Copas do Mundo, a maior goleada foi da Hungria 10 x 01 El Salvador, em 1982. O Brasil aparece com uma goleada em 9º lugar, sendo 7 x 1 sobre a Suécia, em 1950. Mas, pensando um pouco mais: qual a maior goleada que a vida aplica a cada um de nós?
Fico aqui a pensar – qual a maior goleada que a vida pode proporciona a um ser? Pensando naquela máxima que pergunta-se, responde-se e acaba ainda ficando com o sistema nervoso alterado, afirmo que a maior goleada é a luta pela sobrevivência.
Se olharmos para o mundo animal – irracional, notaremos que a lei da selva é a que predomina, ou seja, quem pode mais, chora menos; o maior vence o menor. O menor servirá de alimentação para o maior – a lei do mais forte, mais astuto, sobre o mais fraco, menos astuto.
Mas, e o ser humano, estará nas mesmas condições do mundo animal irracional? Em parte sim, em parte não, pois há o raciocínio. E este raciocínio fez o homem conquistar grandes coisas, como a roda. Já pensou se não tivéssemos a roda? Estranhamente pensamos pouco nessa peça, independentemente do tamanho. A partir dela alcançamos grandes conquistas.
A partir da própria roda já vimos grandes jogadas – trazendo às vezes sorte, às vezes pesadelos que são carregados pela vida toda – mas tudo não passa de escolhas. A vida é uma roda a girar, alguém já escreveu assim. Ah, para ilustrar, Biquini Cavadão tem uma canção – ‘Roda gigante’, que diz: “Só quero o amor das grandes paixões / Ser como crianças no parque de diversões / Aquele amor que em menos de um instante / Faz a vida girar numa roda gigante...” – pensou?
Chrystian & Ralf, tem uma canção - ‘Vira, virou’, que diz: “Vida, a vida virou, a roda girou e você chegou na minha vida / A linha do destino a gente traça / Por teu amor não há o que eu não faça / Vida, a vida virou, a roda girou e você chegou na minha vida / Meu bem eu só queria te dizer / Que eu não me arrependi de amar você” – pensou? A roda está presente.
E assim vou pensando nas grandes invenções do ser humano, nas grandes jogadas que o ser humano vem fazendo. E você, caro leitor, pense também: quais as grandes jogadas que estão acontecendo em sua vida? Se forem poucas as jogadas, está na hora de parar, pensar e mudar. 01/02/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES    

 

VALOR PESSOAL E PROFISSIONAL

Muitas pessoas desconhecem o termo valor. E, por não o conhecerem, ou melhor, por não saberem aplicar tal termo, esquecem os próprios valores. Menosprezam-se ou, pior, deixam-se ser menosprezadas. Mas, por quê?
Se olharmos para a palavra valor e esta relacionada ao título deste texto, questionamos: por que valor pessoal? Por que valor profissional? Pensamos sobre o primeiro: atribuímos que valor a nós? Que valores são estes que cobramos de nós?
Ao ser humano, desde pequeno, são passados valores – e estes valores são levados ao longo dos anos e, às vezes, sem os questionar se estão certos ou se estão errados. Ou, a sociedade faz pior quando tais valores são questionados e esta afirma: mais um revoltado!
Como afirmei acima, os valores estão ai e devem ser questionados. Há certas afirmações que são verdadeiras até determinado ponto, depois deixam de ser. Às vezes o conhecimento chega e derruba o que até então era tido como verdadeiro. Pense. Eu estou aqui a pensar: a moeda não tem dois lados apenas, mas três.
Precisa-se pensar que valores pessoais são questionáveis. Estão colocados dentro da sociedade com o direito de todo cidadão questionar – e, se achar melhor mudar, que os mude, mas pensando que nem sempre o outro vai aceitar as mudanças, mas se pra você a mudança traz benefícios, deve executá-la e sem pensar muito – mas respeitando o espaço do outro sempre.
E o valor profissional? Cada um em sua área e fazendo o melhor possível – só isso e basta? Será? Creio que não é só isso, é isso e um pouco mais. O ‘um pouco mais’ refiro-me ao lado pessoal. Ao lado humano, ao respeito humano.
Muitos são excelentes profissionais, e esquecem que estão trabalhando com pessoas, que estão vivenciando com pessoas. Na maioria das vezes somente o tempo para ensinar a humildade e o respeito com o ser humano, com o próximo; às vezes nem o senhor Tempo, dono de tudo, dá conta de ensinar, de reeducar.
Desde a função mais alta dentro de uma empresa até a mais baixa, cada um tem o seu valor. Cada um desempenha uma atividade e cada atividade tem o seu valor – e todos precisam interagir, mesmo que não seja de forma direta. Somente assim conseguem o respeito mútuo dentro de suas funções; mas é sabido que alguns esquecem, principalmente quando as coisas acontecem de forma menos dolorosa, quando alcançam cargos sem muitos esforços – não é mesmo?
Então, a somatória destes valores (valor pessoal e valor profissional) constituirá um ser – o ser humano – a máquina mais perfeita que temos conhecimento. O ser humano precisa sempre ser valorizado – e não pouco, mas muito! E nunca esquecer que a valorização começa por si, pelo respeito ao próximo; nunca deixe ser tomado como inferior. Ter é bom, mas ser significa muito mais. Ter é bom, mas ser é melhor – sempre!  25/01/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES           

 

 

.

MEUS FOLHETINS

FOLHETIM 10...FOLHETIM 09...FOLHETIM 08

FOLHETIM 07...FOLHETIM 06...FOLHETIM 05

FOLHETIM 04..FOLHETIM 03..FOLHETIM 02..FOLHETIM 01

DÊ UM CLICK E ACESSE OS FOLHETINS

(18) 99702-5883 - contato

 

BOA DICA - FAÇA SEU GIBI...

.

Lembre-se que:

847 mil réis foram pagos pelo aluguel do Teatro Municipal de São Paulo para realização da 'Semana de Arte Moderna de 1922'.

.

CONCURSOS LITERÁRIOS

.

É proibido fazer cópias do conteúdo deste site - entre em contato, peça autorização. Saiba que plágio (copiar) é crime previsto no Artigo 184 do Código Penal, Lei 9.610.

As matérias aqui postadas, quando de não autoria de Pedro César Alves, têm autorização dos escritores, e ou Prefeituras, Departamentos - ou são de domínio público.

** Algumas imagens são tiradas de sites da net para simples ilustração.

.

Site organizado/coordenado por: Prof. Pedro César Alves - MTE nº 71.527-SP.

.

CONTATO

FALE COM O PROF. PEDRO CÉSAR

(18) 99702-5883

ARAÇATUBA / SP

.

*

.

contador de visitas

Voltamos à marca inicial após 100 mil visitas!

Copyright Editor

Prof. Pedro César Alves

Todos os direitos reservados

- 2010-2014 -

.