(18) 99702-5883

CONTATO

MAPA DO SITE

***-***-***-***-***-***-***-***-***

***-***-***-***-***-***-***-***-***

ESTUDE UM POUCO: LITERATURA

QUESTÕES LIT - Nº 01

QUESTÕES LIT - Nº 02

QUESTÕES LIT - Nº 03

 

ATIVID. PROD. TEXTUAL * Nº 01

 

QUESTÕES PARAISÃO * Nº 01

QUESTÕES PARAISÃO * Nº 02

***-***-***-***-***-***-***-***-***

TEMPO NA REGIÃO

***-***-***-***-***-***-***-***-***

EF no 'PARAISÃO"

2011 - EF no 'PARAISÃO'

Prof. Pedro César - Coordenador

***-***-***-***-***-***-***-***-***

PORTAL DA PM ARAÇATUBA - SP

02/12/1908 - 02/12/2013 = 105 ANOS

***-***-***-***-***-***-***-***-***

LITERATURA COMENTADA

***-***-***-***-***-***-***-***-***

No final desta página você encontra outros números do FOLHETIM.

***-***-***-***-***-***-***-***-***

COLUNA "ESCREVER... É ARTE"

CRÔNICAS PUBLICADAS EM 2014

CRÔNICAS PUBLICADAS EM 2013

CRÔNICAS PUBLICADAS EM 2012

CRÔNICAS PUBLICADAS EM 2011

CRÔNICAS PUBLICADAS EM 2010

CRÔNICAS NÃO PUBL. - 2013

CRÔNICAS NÃO PUBL. - 2012

CRÔNICAS NÃO PUBL. - 2011

 

***-***-***-***-***-***-***-***-***

Prof. Pedro César Alves tem livro publicado, além de participações em coletâneas e on-line.

LIVROS DO PROF - BAIXE-OS

POESIAS DO PROF - 1999-2014

LEIA: UMA LOCOMOTIVA...

***-***-***-***-***-***-***-***-***

LER EXERCITA O CÉREBRO!

***-***-***-***-***-***-***-***-***

RECANTO DAS LETRAS

Textos de Pedro César Alves

.

Pedro César Alves, Cadeira 199 (desde2002)

 

 

RELÓGIO DE PÊNDULO

Click na imagem acima e leia o conto "RELÓGIO DE PÊNDULO", premiado no 26º Concurso de Contos 'Cidade de Araçatuba' / 2013.

***-***-***-***-***-***-***-***-***

CONCURSOS LITERÁRIOS

***-***-***-***-***-***-***-***-***

RECONHECIMENTO

TROFÉU ODETTE COSTA - 2011

Troféu 'Odette Costa - 2011'

- por 'Divulgação Cultural'

.

VOTO DE APLAUSOS

No dia 13/02/2012, às 19h, na Câmara dos Vereadores, em Araçatuba, recebi 'Voto de Aplausos', indicado pelo Vereador Prof. Cláudio, e subscrito pelos onze vereadores - pelos relevantes serviços prestados junto à comunidade, através do Programa Escola da Família e 1º CulturArte/2011, na EE "Dr. Clóvis de Arruda Campos" - Paraisão.

.

REVISTA

Revista 'Plural', da Academia Araçatubense de Letras, 20 anos, 2012.

Participação do prof. Pedro César Alves, p. 125/126,

Texto: "Caminhar faz crescer"

 

***-***-***-***-***-***-***-***-***.

REFLEXÕES (IM) PARCIAIS

EDIÇÃO Nº 001

***-***-***-***-***-***-***-***-***.

 

ARQUIVOS EM PDF

 

CRÔNICAS 2011

CRÔNICAS DE JUNHO

CRONICAS DE MAIO

CRÔNICAS DE ABRIL

CRÔNICAS DE MARÇO

CRÔNICAS DE FEVEREIRO

CRÔNICAS DE JANEIRO

CRÔNICAS 2010

CRÔNICAS DE DEZEMBRO

CRONICAS DE NOVEMBRO

 

***-***-***-***-***-***-***-***-***

SITES DE AMIGOS

SITE - DICIONÁRIO

Prof. Mário César Rodrigues

***

SITE TELESCÓPIO - ARAÇATUBA

Leiam 'Site Telescópio' (Everi Carrara)

***

RESTAURAR - ARTE SACRA

Conheça o blog acima... e veja como toda arte pode ser restaurada...

***

Leiam 'Cia dos Blogueiros'

***

 

REFLITA UM POUCO...

 

..***-***-***-***-***-***-***-***-***

 

SITES INTERESSANTÍSSIMOS

ACORDO ORTOGRÁFICO

CONJUGADOR DE VERBO

LIVROS DE DOMÍNIO PÚBLICO

MUSEU VIRTUAL DE BRASÍLIA

MÚSICAS - 100 MAIS EM 100 ANOS

PORTA-LIVROS

RESUMOS LITERÁRIOS

RESUMOS LITERÁRIOS DE A - Z

VIAJAR PELO MUNDO? ACESSE.

.***-***-***-***-***-***-***-***-***

1ª CulturArte 'PARAISÃO'

PROJETO PARAISÃO - 2011

 

.***-***-***-***-***-***-***-***-***

Praça do Guanabara:

Pedro César e filhos: Júlio e Carol.

***

Dia 15/5, domingo, na Virada Cultural, o escritor Ignácio Loyola Brandão ministrou excelente palestra no Teatro Municipal "Paulo Alcides Jorge". Antes, houve apresentações de membros do Grupo Experimental e da Academia Araçatubense de Letras.

.

EM 2014:
"Se existir guerra, que seja de travesseiro; se for pra prender, que seja o cabelo; se existir fome, que seja de amor; se for pra atirar, que seja o pau no gato-t-ó-tó; se for para esquentar, que seja o sol; se for para atacar, que seja pela pontas; se for para enganar, que seja o estômago; se for para armar, que arme um circo; se for para chorar, que seja de alegria; se for para assaltar, que seja a geladeira; se for para mentir, que seja a idade; se for para algemar, que se algeme na cama; se for para roubar, que seja um beijo; se for para afogar, afogue o ganso; se for para perder, que seja o medo; se for para brigar, que briguem as aranhas; se for para doer, que doa a saudade; se for para cair, que caia na gandaia; se for para morrer, que morra de amores; se for para violar, que viole um pinho; se for para tomar, que tome um vinho; se for para queimar, que queime um fumo; se for para garfar, que garfe um macarrone; se for para enforcar, que enforque a aula; se for para ser feliz, que seja o tempo todo; se for pra cheirar que seja a flor; se for pra fumar que seja a cobra; se for pra picar que seja a mula.” - - enviado por Carlito Lima.

.

OBS.: Se você precisa publicar algum trabalho para obtenção de notas para o seu Curso Superior, entre em contato!

TROFÉU ODETTE COSTA - 2011

LER É O MELHOR CAMINHO

(18) 99702-5883 - Prof. Pedro César Alves - MTE nº 71.527-SP.

O MUNDO ESTÁ EM CRISE, NÓS ESTAMOS EM CRISTO!

ESTE SITE VALORIZA A EDUCAÇÃO E A CULTURA

BEM-VINDO

SITE EM CONSTANTE ATUALIZAÇÃO

 

ADQUIRA AGORA - APENAS UM CLICK

AS CRÔNICAS QUE ESCOLHI ESCREVER

ADQUIRA AGORA - APENAS UM CLICK

DETETIVE DE PRIMEIRA VIAGEM

ADQUIRA AGORA - APENAS UM CLICK

OS MOMENTOS MARCANTES DOS PEQUENOS AVENTUREIROS

EDMARY CHACON

BLOG: HISTÓRIAS E NOSTALGIAS

A escritora Edmary Chacon em seu blog relata, diretamente do túnel do tempo, as mais belas 'histórias e nostalgias' que ouviu de amigos e parente e, ou vivênciou - Bilac / SP

 

FLORES AOS MESTRES

Depois de uma ‘semana preguiçosa’, o retorno à sala de aula foi inevitável, e afirmo que esta me faz falta. A agitação do dia a dia, o burburinho – apesar de ser, às vezes perturbador, mas há anos já faz parte da minha vida. E, consequentemente, nos últimos anos, tal burburinho está aumentando.
Apesar dos anos de trabalho, sempre trago comigo a expectativa de encontrar algo diferente, de algo que venha a mexer comigo – de mexer também com o meu próximo. De algo que venha modificar a rotina do meu dia a dia, do dia a dia do meu próximo. E aconteceu.
Considerei este retorno especial – recebi de uma pequena uma maravilhosa flor em consideração pelo dia do professor. E da cor que eu mais gosto: vermelha! Simplesmente linda! Linda! Linda! Vermelha – e a coloquei como faziam as professoras antigamente: num copinho com água – tirei até fotografia para nunca mais esquecer tal atitude.
Senti-me muito honrado ao recebê-la – aliás, fiquei emocionado. Há anos não recebia uma flor por esta data– não se faz mais aluno como antigamente! Mas ela foi exceção. Uma exceção que mexeu não apenas comigo, mas com muitos alunos que sentiram uma pontinha de sei lá o quê! Sem falar em alguns mestres que, apesar do riso, sei que sentiram uma pontinha também de não sei lá o quê! E não adianta dizer o contrário.
Jean de La Fontaine deixou escrito que ‘Nenhum caminho de flores conduz à glória’. Perfeita a citação, mas se pensarmos um pouquinho no fato citado por mim sobre a flor que ganhei, posso dizer que ensinar não é um caminho florido – pelo contrário: é cheio de espinhos. Logo, posso afirmar que ensinar conduz muitos á glória: ver um cidadão diplomado é uma glória do profissional da Educação.
Em seu poema ‘No meio do caminho’ o poeta Carlos Drummond de Andrade afirma que ‘No meio do caminho tinha uma pedra / tinha uma pedra no meio do caminho / tinha uma pedra / no meio do caminho tinha uma pedra. (...)’ – que tal substituir pedra por flor? No meio do caminho passaremos a ter flores – maravilha! Mas encontrei em outra frase que passamos pelo caminho desviando das pedras, logo, não observamos as flores. O melhor seria transformar as pedras em flores e teríamos o caminho, além de maravilhoso, possivelmente perfumado.
Li em algum lugar que o caminho para casa foi chamado de ‘o caminho das flores’. Concordo. É tão bom voltar para casa. É tão bom voltar para casa e ter um amor a te esperar. É tão bom voltar para casa, ter um amor a te esperar e sentir-se feliz no aconchego do lar, dos braços da amada... E termino este parágrafo dizendo que é tão bom voltar pelo caminho das flores.
Recordo-me agora da canção ‘Flores em vida’, que a dupla Zezé Di Camargo e Luciano embala: ‘(...) Quero flores em vida / Seu sorriso a me iluminar / As lágrimas de despedida / Não estarei por perto para enxugar // Eu quero viver a vida / Quero flores em vida / Colhidas no jardim do amor // Do nosso amor (...)’ – magnífico, não?
Apesar de termos em nossa cultura a presença da flor – tanto no nascimento, durante vários fatos da nossa vida e na morte, muitos não prestigiam o poder que elas têm. E para explicar é fácil – deram flores apenas nos primeiros anos de convivência e depois esqueceram. Esqueceram da canção ‘A namorada que sonhei’, onde Nilton César canta: ‘Receba as flores que lhe dou / Em cada flor um beijo meu / São flores lindas que lhe dou / Rosas vermelhas com amor / Amor que por você nasceu // Que seja assim por toda a vida / E a Deus mais nada pedirei / Querida, mil vezes querida / Deusa na terra nascida / A namorada que sonhei (...)’ – por isso adoro dar flores! Minha casa sempre vive repleta de flores – e a minha doce Lorita diz que não há mais espaço de tantas flores que lhe dei... E então recordo da canção e começo a cantar: ‘Receba as flores que lhe dou...’.
E, para encerrar esse texto em grandes flores – todos somos mestres em algum momento. Todos merecemos flores em algum momento da vida. E aqui vai mais um singelo texto cheio de flores aos mestres que tive, que tenho e que terei pela vida. Viver cada dia é aprender um pouquinho mais. E siga estas dicas: a cada situação que o Cupido te flechar, envie flores. E muitas flores de preferência – e consulte, se possível, as cores das flores para cada ocasião. Mas, apesar das ocasiões, sou apaixonado pelas rosas vermelhas. 23/10/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES  

 

DIAS AGITADOS

Estamos em outubro e, por consequência, um mês agitado – melhor, o resultado de alguns meses de agitações, principalmente na política. Chegamos a alguns números, mas ainda temos que votar nos próximos dias – uma escolha que definirá por mais quatro anos o rumo de nossa nação. Votar corretamente para não se arrepender depois.
Não estou aqui para falar de um candidato ou de outro – cada eleitor deve buscar as suas conclusões através das propostas de cada um. Ouvir o que um fala, o que o outro fala, ou ainda o que é postado em redes sociais e na própria televisão não é o bastante, o interessante seria pesquisar a fundo... Mas, a verdade é uma só: temos que trabalhar – e muito!
Passado os dias de outubro, novas agitações surgirão – como as articulações para o governo municipal. Você pode achar que estamos longe, mas não estamos. As preocupações municipais começam logo. E são candidatos procurando apoio, tentando construírem coligações antes mesmo das prévias eleitorais. Pode-se dizer, melhor, eu digo: é a corrida do mercado eleitoral. E são poucas vagas para muitos candidatos que querem lutar pelo direito do povo – pense nisso!
Mas há outras agitações. Uma que arrebentou muitos esta semana foi o jogo entre Corinthians e o Atlético-MG, o Galo: imaginavam o que mesmo? Ah! Que o Galo seria desclassificado – verdade seja dita que a vantagem era de se esperar tal resultado, mas futebol é uma belíssima caixinha de surpresas – acredite ou não, e jogadores e torcida acreditaram e gritavam: “Eu acredito...” – e não precisava melhor resultado para uma belíssima noite de quarta-feira. Desculpem os que não acharam, mas para um sofredor palmeirense – nem precisa explicar mais.
Falando em outras agitações – e a água? – e o calor? Torna-se muito difícil trabalhar nestes dias. Há muito sofrimento – fico a imaginar os que trabalham em lugares expostos ao sol. O astro-rei não quer nem saber... E recomenda-se: use protetor solar, e dos mais fortes possíveis. Há pessoas que com este imenso calor a pressão sai da normalidade e sofrem quedas – o melhor a se fazer é hidratar-se constantemente. Eu, por exemplo, carrego uma garrafinha de água – trabalho do professor é a fala.
Mas há muitas agitações que poderíamos abordar aqui. Mas quero fechar este texto falando apenas de mais uma: da agitação educacional. E você deve estar se perguntando: Qual agitação educacional? Respondo: aquela que deveria existir e não existe. Aquela que o pai, a mãe ou o responsável legal deveria ter a preocupação não de apenas enviar o filho para a escola, mas também de acompanhá-lo, de saber os resultados, de apreciar se está dando frutos. Volto a perguntar: você tem notícias dela?
Creio que alguns poucos leitores que tenho argumentarão que eu estou perdendo o juízo; outros dirão que estou correto. Mas o que fica para nós – e para os que trabalham com Educação ainda mais: é que devemos nos preocupar com estes jovens que estão se formando – ou seja, como estão se formando? Qual a qualidade que apresentarão ao mercado de trabalho? É hora de se pensar... 18/10/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES  

 

SEMANA PREGUIÇOSA

Amanhã, domingo, doze de outubro, dia da criança, dia da padroeira do Brasil – apesar de domingo, é um feriado nacional, começa uma semana que chamo de preguiçosa – e, para isso, tenho alguns motivos. Antes de qualquer apontamento, digo que são opiniões minhas, e sei que divergirá de muitos – e ainda bem, pois é assim que caracteriza o nosso ser: pensante. E sei que muitos estarão ocupadíssimos com os seus afazeres.
E antes dos apontamentos, gostaria de deixar aqui as minhas elevadas considerações pelo profissional da semana – o professor. A nós – os professores. Apesar de todos os problemas que estamos enfrentando, da baixa valorização que temos, ainda acreditamos e, por isso, semeamos na esperança de colhermos bons frutos. Que tais sementes poderão ajudar a mudar a situação deste país – e em todos os sentidos. 
Alguns dos motivos para eu declarar a semana preguiçosa: poder dormir até mais tarde, poder ir à praia (bem que eu queria, mas é um sonho...), não ter que trabalhar (semana do saco cheio); citaria para melhores explicações, a mudança no Calendário Escolar por causa da Copa do Mundo de Futebol que foi praticamente um sucesso em solo brasileiro, apesar do vexame dos jogadores brasileiros em campo.
Do resultado da Seleção Brasileira em campo pouco escrevi, mas sei que em todas as profissões há decepções – no futebol não é diferente –, mas o que pesou mais: nós, torcedores brasileiros, somos quase fanáticos pela nossa seleção, ou fanáticos, e não aceitamos derrotas. Vale aqui o velho e comentado ditado: melhor empate do nosso time que a derrota do mesmo – e por sete! Foi muito pra nossa cabeça de torcedor quase fanático.
Retomando, estou consciente que preciso de um tempo a mais para os meus neurônios descansarem, pois ultimamente andam a pensar muito; para as minhas pernas repousarem – ficar de pernas para cima é uma das coisas que aprecio sem moderação; curtir o ócio – olhar o tempo passar é tão bom, e melhor ainda quando não se tem cobrança; fazer a sesta que há muito não faço – apesar de não ser muito adepto desta situação, de vez em quando é bom. Trabalhar merece parágrafo à parte – com toda certeza.
Por mais que gostamos de estar parado, precisamos ficar com a mente ocupada. Já sabemos que mente vazia pode ser oficina do inimigo – além de evitar muitos males à saúde, por isso que enquanto descansarei nestes dias, vou "carregar pedras" – ou seja, colocarei em dia algumas ideias esparsas que tenho em meu computador, tais como: revisar alguns textos (apesar de dizerem que não enxergamos nossos próprios erros – e concordo em parte), adicionar e retirar conteúdo do meu site – apenas eu posso realizar tal ação, entre outras coisas que gosto de fazer. Ou, ainda, escrever novas histórias que podem, ou não, um dia virar livro.
Já disseram que para usar o computador eu nunca tenho preguiça – em parte é verdade. Creio que, se eu trabalhasse direto no, ou direto com o computador, seria mais realizado ainda do que ultimamente ando me sentido (apesar de toda a carga horária de trabalho que tenho). Um exemplo: ser pago para escrever – que maravilha! Ser pago para fazer o que gosto e, automaticamente, o reconhecimento de público. Creio que trabalharia, em média, mais horas do que o recomendado. E estarei muito realizado – fazendo o que gosto – e deixo bem frisado, apesar de repetitivo tal assunto.
Mas, falando na semana preguiçosa, fico a pensar que ela termina: apenas uma semana e logo tudo retorna a seu ritmo. Ainda bem que em menos de dois meses começam as férias – e estas merecidas férias também chegam ao fim, mas parecem ser tão curtas que digo com todo gosto do mundo que são tão merecidas! 10/10/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES   

 

ARAÇATUBA, 28 DE SETEMBRO DE 2014

Prezados senhores quase desconhecidos (as),

É interessante o número de cartas que recebi nestes últimos dias. Apresentaram-se, outros apenas questionaram – logo, tenho por obrigação de apresentar-me e, seguidamente, responder.
Sou um senhor que gosto de escrever muito – escrevo todos os dias algumas linhas, um dia mais, outro menos, mas escrevo. Professor por ofício, jornalista por gosto, escritor de carteirinha por diversão.
Nas cartas que recebi, os ‘desconhecidos (as)’ falavam de muitas coisas, como adolescência, relacionamento, família, escola, livros, fé, esperança, felicidade, sonhos, devaneios, divagações, política, impostos, empregos, mudança de cidade, futebol, natureza (queimadas; animais – urso polar; não desperdiçar água), achados e perdidos, comida típica brasileira, lutar na vida, o mundo é uma loucura, até davam conselhos e citações – queriam conversar. Uma citação que gostei foi que não devemos correr atrás das borboletas...
Logo, tenho por obrigação responder a todos. Atender a todos individualmente não é fácil, mas de certa forma, falarei um pouquinho de cada coisa – assim, falarei da carta de cada um. Se alguém não for atendido, escreva-me e terei o prazer de responder de forma mais direta.
Por ofício, como disse, vou começar pela Literatura: recebi um questionamento sobre os livros. E dizia assim: Amor de perdição, O lado bom da vida, Harry Potter, Dom Casmurro – qual o mais lido? Sinceramente: não sei dizer, mas gosto muito de Dom Casmurro – é um enigma e tanto, não pelo fato de ter havido ou não a traição, mas pela eterna dúvida que causa. A pior coisa que existe no ser humano chama-se dúvida... Pense nesta questão.
Agora, meu caro quase desconhecido, falarei de forma sequencial que postei conforme ia lendo as cartas e anotando. E o primeiro será o processo da adolescência – que fase, não? De certa forma é maravilhosa, mas ao mesmo tempo cheia de cobrança por parte dos que são chamados de adultos. É uma fase de mudança corporal, intelectual e, de certa forma, o jovem não sabe onde, nem como se colocar. Mas, com toda certeza, é uma fase que deve ser encarada com naturalidade, responsabilidade e procurar fazer as escolhas certas.
O relacionamento é algo a se pensar. Partindo do relacionamento familiar, na comunidade, na igreja... O relacionamento com o outro – com o sexo oposto – tudo isso exige respeito. Tudo é legal a partir do respeito mútuo. Lembrando sempre que o outro também tem suas opiniões e estas devem ser respeitadas.
Quanto à escola, revelo: faz exatamente (deixa pra lá os anos...) muitos anos que vou a ela e dela tentarei não me apartar. Já faz parte do meu ser. Foi a minha escolha e, sinceramente, sinto falta do burburinho escandaloso que está acontecendo nos últimos anos quando estou em período de férias. Escola é algo que temos que ter – aliás, escolaridade.
Os termos fé e esperança são itens que o ser humano não pode deixar pelo caminho. Perdê-los jamais! A fé remove montanhas. Temos que ter esperança em dias melhores, mas para tê-los temos que plantar hoje. A felicidade pode ser o resultado de tudo, mas temos que estar atentos aos nossos atos.
Sonhos, devaneios, divagações – tudo junto e misturado é o que sempre fazemos. Sonhamos sempre – e ainda bem que temos esta condição. Às vezes em nossos devaneios falamos coisas torpes, mas temos que lembrar que, apesar de ser um membro pequeno e frágil, é um dos mais fortes que temos – a língua: cuide bem dela! Divagações – somos ou não somos filósofos? Eu penso que sim. E, somado a tudo isso, coloco uma palavra: imaginação! Ainda bem que temos! Ainda bem que usamos...
Política – estamos em fase eleitoral. Não estou aqui para falar de candidatos, mas temos que ter a noção que votar é algo em nosso país obrigatório, por isso a escolha se faz necessário. E sejamos práticos: fazemos política e não politicagem. Como sempre ouvi falar e afirmo – todo momento fazemos política, mesmo dizendo que não gostam de política, já estão fazendo política: o ato de não gostar de política já é uma política. Política é escolha. E digo que gosto muito de política.
Quanto aos impostos – no Brasil – é algo altíssimo. O que falar? Deixar de pagar... Não é a situação correta, mas bem que poderiam mudar algumas leis para que o povo pudesse viver melhor.
Emprego – cada um busca o que lhe é melhor. Muitos reclamam do trabalho que exercem, mas não buscam melhorias. Sei que emprego está difícil – e quem o tem, deve conservá-lo. Mas, lá vai um conselho: não se acomode. Progrida.
As mudanças são necessárias – e às vezes é necessário mudar de casa, de cidade, de estado. Se as mudanças forem para melhor, por que não arriscar? A vida é isso – busca de melhores condições. Deus deu ao homem sabedoria. Exerça-a.
Futebol é algo complicado. Cada um tem o seu time. Eu, por exemplo, torço para o Verdão – e neste momento está em péssimas condições. Sobre a Copa do Mundo tenho minhas opiniões: por uma lado foi bom, empregos e relacionamentos; por outro lado, podia-se também empregar a verba em outras partes. Pensando bem: há verbas para fazer muitas coisas, o que precisa é ser bem aplicada. Como sempre digo: por que fazer, por exemplo, uma boa Educação? Povo inteligente – pra gente baixa no poder – é perigoso. Povo inteligente derruba maus governantes.
Já em se pensando em natureza – muito há a se fazer. Melhor, muito a pensar sobre como não fazer mal ao lugar que vivemos. Preservar é a palavra. Evitar extinção. Evitar desperdícios de água... Aliás, saber todos sabem, mas poucos conservam o meio em que vivem.
Achei engraçado que há leitores preocupados com os achados e perdidos. Animais perdidos, coisas perdidas, felicidade perdida. Por onde começar? Simples: achou? Conclame ao mundo e aparecerá o dono.
O brasileiro é um bom vivente. Gosta de boa comida – a típica comida brasileira: arroz e feijão – quer melhor que isso? Eu, por exemplo, sou um típico brasileiro: gosto muito do arroz e feijão, somado a uma saladinha, um ovo, e – por último, a carne.
Somos brasileiros, lutamos, não desistimos nunca! Desistir é para os fracos! Somos, com certeza, fortes em Deus, nosso Senhor. Lutamos, batalhamos e vencemos. ‘Ao vencedor as batatas.’
Como li em determinada carta: o mundo é uma loucura! Creio que deve ser sim, mas para quem se acha louco – ou para quem se acha normal? É uma questão de visão de mundo. Para este ser que escreve estas linhas, o mundo não é totalmente uma loucura, melhor: não é uma loucura – mas quem o faz parecer uma loucura são os humanos. Então, a loucura só existe para quem se passa por louco!
Afinal, até conselhos emitiram. Mas esqueceram de um velho ditado: se conselho fosse bom, não seria dado, mas vendido. É de se pensar – e muito! Logo percebi que queriam conversar – e não importava com quem. Apenas queriam expor as suas ideias...
Creio que, aos poucos, estão começando a perceber que vivem equipados tecnologicamente, mas estão solitários entre a multidão. Você já pensou nesta frase?
Pois bem, espero em breve poder receber a sua próxima carta e um parecer seu sobre o parágrafo anterior. No demais, um forte abraço. Se cuide hoje e sempre!


Seu amigo quase desconhecido,

Prof. PEDRO CÉSAR ALVES

 

LIVROS E POLÍTICA PODEM ANDAR JUNTOS

Esta semana dirigi-me à biblioteca e, andando entre as estantes de livros, me senti flutuar pelo paraíso das letras – e ainda me perguntei: por que será que grande parte da população não gosta de ler? Onde será que se encontra o erro do não fazer leitor neste Brasil? E, das inúmeras respostas que poderia colocar aqui, cito o alto custo do livro - e com todo o incentivo que se tem.
Também, neste último mês, tivemos a 6ª Jornada de Literatura em nossa Araçatuba e muitas palestras aconteceram. E nós, escritores araçatubenses, fomos valorizados e contemplados novamente a ministrar palestras juntos aos alunos – incentivo ao ato de ler e escrever. A cada palestra ministrada fomos contemplados por um vale-livro, num determinado valor, e este deveria ser trocado na livraria Nobel – outro lugar que também fico perdido. São tantos títulos que tenho a imensa vontade de levá-los – mas sei que é impossível lê-los em curto espaço de tempo.
Estive esta semana na livraria para trocar os vales-livros. Não sabia exatamente o que levar para casa, mas com auxílio da atendente (uma jovem bem carismática, atenciosa), da amiga e escritora Yara Pedro de Carvalho que por lá passeava entre os livros (que me indicou um excelente livro de como contar histórias) e, embaixo do braço, dentro do coração, um pedido especial – um romance para a minha doce Lorita: e o encontrei - 'Cidades de Papel'.
Perdido entre tantos títulos – entre pilhas de livros com capas chamativas, escolhi alguns. Fiz a troca necessária através do vale-livro. Permaneci lá por alguns bons momentos – lá, entre os tantos títulos, o tempo foge ao controle. Senti-me realizado. Parecia-me, como certa vez escrevi, que tudo flutuava, que os autores saíam dos livros e conversavam comigo. Pode até parecer estranho, mas para quem gosta de livro, certamente me compreenderá.
E, em se pensando em tudo que relatei acima, e em se tratando da época em que estamos, por que os políticos falam tanto em Educação e pouco se faz por uma questão tão nobre? Amanhã, por exemplo, é sabido da necessidade obrigatória que os brasileiros têm – votar. Mas em quem votar? Não estou aqui para citar nomes, mas para pensar um pouco com o leitor sobre o que poderiam ter feito nessa época e passaríamos a acreditar mais.
Creio que recebemos em casa muitos e muitos ‘santinhos’ – mas também creio que em nenhum momento entregaram junto com os seus santinhos um livro para leitura. Perderam uma oportunidade útil: incentivar à leitura; mostrar que os seus respectivos planos de governo tem o livro, a leitura, como prioridade. E não precisava muito para ter o reconhecimento. Não precisava ser um livro clássico – deveriam ter partido da simplicidade, da exaltação, se assim posso dizer, dos autores locais. Seria, acima de tudo, um ato de civismo, um ato de consideração pelo que pregam.
É uma ideia que tenho em mente – qualquer um está sujeito a ser político. E como sempre digo: somos em todos os momentos políticos, o que não podemos ser é: politiqueiros. E usar o que se tem de bom para auxiliar o crescimento de uma população é sinal de sabedoria. Mas, infelizmente, poucos pensam assim e volto a dizer a famosa frase: quanto menor o conhecimento que um povo tem, mais fácil de governá-lo – então, por que alimentá-lo de sabedoria, se o posso manter em ‘cativeiro’?
Deixo aqui o registro da minha indignação contra os maus políticos, e alerto-os de boa intenção para que nas próximas eleições pensem de forma diferente – pense em valorização. Pense no gasto do papel, mas de forma útil, agradável. De forma construtiva. Não será sujeira em casa, será limpeza nos corações dos homens de boa vontade.  03/10/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES   

 

RUMO AO DESCONHECIDO

Creio que todos, ou quase todos, já tiveram vontade de sair sem rumo, ou apenas rumo ao desconhecido. Eu também já tive essa vontade e realizei: em cima de uma moto saí sem destino e, quando dei conta, estava em Porto Alegre – claro que dias depois da partida.
Outros também gostam de escrever a desconhecidos – eu também. E é tão interessante que sempre descobrimos que há pessoas que sentem o mesmo – pois respondem. E é interessante escrever a um desconhecido porque, ao mesmo passo que pode se falar muitas coisas, também o contrário, somado à vontade de saber quem está do outro lado.
Sempre que posso peço aos alunos que escrevam a um desconhecido – de modo ficcional (e deve ficar claro que não se deve citar endereços, dados pessoais – invente e-mails... ) – mesmo que for para treino e assim retomam o exercício epistolar. Há alguns anos recebia cartas de várias partes do mundo, e em Inglês. Participava, na época, do IPF (International Pen Friend) e aprendi muitas expressões idiomáticas – que não aparecem nos dicionários.
Como trabalhador, labutador das palavras, gostaria de encontrar alguém, ou uma meia dúzia de pessoas, com o mesmo interesse em produzir cartas literárias, ou até mesmo trocar correspondências via e-mail. Vários escritores fizeram isso ao longo de suas existências.  Algumas destas cartas tornaram-se famosas, bem estudadas, analisadas e até hoje são discutidas.
Creio eu que essa ideia não pertence apenas a minha pessoa – outras também pensam assim, mas nem sempre conseguem um espaço para expô-las. E alguns se reúnem em pequenos grupos/clubes de correspondências e praticam essa ação que a modernidade tecnológica tenta apagar – mas não para fins literários, mas para diversão mesmo.
Fico imaginando o gostinho de receber uma carta de um escritor, pode até ser um autor de pouca expressividade, mas só de ler ao final da carta a expressão “um abraço literário do seu amigo escritor Fulano de Tal”, subiria às nuvens.
Falando em escritor, lembro-me neste momento do dia em que recebi um cartão do escritor Pedro Bandeira – meu xará. Naquela época – muitos anos atrás, quando ainda era jovem, fiquei muito feliz e não sabia o peso do que é ser escritor, imagino nos dias de hoje! Fiquei feliz, também, no dia em que – no palco do Teatro da Biblioteca Pública Municipal ‘Rubens do Amaral’, sentei ao lado do escritor Ignácio de Loyola Brandão, após uma de suas belíssimas palestras (pois já ouvi duas), e tiramos uma foto que está até hoje postada no meu site – são momentos raros. Também já tirei fotos ao lado de outros escritores – que me perdoem por aqui não citar os nomes.
Então, retomando o assunto, você que está lendo estas linhas, faça assim: pegue uma folha, caneta (e com letra legível) e escreva uma carta a um desconhecido – deixe-a num banco de praça. Deixando num banco de praça propiciará que alguém escreva para você (vale lembrar que nos dias atuais evita-se colocar endereço – assim, no primeiro momento, deixe caixa postal, ou e-mail – ou, ainda, determine um lugar para que a deixem, como a Biblioteca Municipal – mas não se esqueça de avisar a senhora bibliotecária.
Esta semana vou conversar com a bibliotecária responsável e propor esse trabalho – apenas para recepção, assim estaremos efetivamente incentivando a escrita e, por consequência, retomando a velha mania de enviar cartas. 20/09/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES

O PODER DOMINA

Outro dia a conversar em casa sobre o que o poder traz, ou faz às pessoas, foi tão interessante que rodou a conversa por alguns dias – e foi longe nas ideias. E sempre trocamos ideias sobre como sermos menos chatos perante certas coisas que a vida proporciona para não parecer abuso de poder. Aliás, a vida proporciona muita coisa boa. O ser humano não a aproveita na maioria das vezes – além de não aproveitar, e é através do poder que deixa tudo mais complicado.
Alguns, por qualquer motivo, se acham o tal; na expressão popular é mais ou menos assim: acabaram de subir numa folha de papel e se acham poderosos. Mas não é assim, sabemos que não é um cargo que pode significar mudança de comportamento. Sabemos, também, que muitos cargos exigem mudança de postura, mas não em relação ao ser. Temos que aprender a ser – e depois ter.
O novo cargo adquirido, ou a nova função a ser desenvolvida, deve ser vista como uma conquista pessoal (e sabemos que nem sempre é – às vezes houve muitos mimos para conseguir tal função). Mas vale lembrar que, na maioria das vezes, quando a conquista é pessoal, o indivíduo valoriza mais, aprecia mais e, de certo modo, respeita os que estão em volta, os que são chamados de subordinados – pois conhece o duro caminho para até chegar ali.
Por outro lado, os que são indicados (e, na maioria das vezes, não possuem competência) precisam se firmar no lugar alcançado, por isso a tendência é dominar de forma desrespeitosa, esmagar o próximo. Às vezes, distribuem olhares diferentes com desdém. Esquecem as origens. Esquecem os patamares que tiveram que galgar para ali chegar. O ser humano é complicado. E coloque complicado!
Por isso o velho ditado se faz necessário aqui repetir: ‘Se queres conhecer um homem, dê-lhe poder’. Poucos serão aqueles que se manterão limpos – basta olhar para o poder político. Quantos que conhecemos, que ajudamos a fazer suas campanhas e subiram, mas muitas vezes não lembram mais dos que aqui ficaram. Por quê? Será tão difícil assim olhar para baixo?
Ou, será que esquecem que todo o poder só é dado mediante a aprovação do Ser Maior – a voz do povo é a voz de Deus. Daqui a alguns dias o povo deverá comparecer às urnas e exercer o seu papel de cidadão consciente – mas será que todos têm consciência do que farão diante daqueles botões? Será que daqui a dois anos saberão em que elegeram para o Legislativo? Aliás, creio que não, pois não cobram dos que lá estão, não cobrarão dos que estarão lá no futuro. Uma coisa é clara – cada vez se cobrará menos, tendo em vista as gerações que estão em formação: estas não possuem nenhum tipo de conhecimento político, muito menos uma política de engajamento social.
Faz-se necessário mudar. Mudança dos que aqui estão – penso eu que as mudanças começam a ser construídas na base, ou seja: na formação do pensamento, por isso a necessidade de termos educadores engajados politicamente no sentido de alertar as próximas gerações. É preciso alertar que quanto menos um povo é sabido, mas fácil este é de ser governado. Logo: para que o instruir bem? Deixe-o que saiba pelo menos – e tão somente – escrever o nome, assim, estará apto para votar. Não lhe dê mais que isso, pois tendo mais se revoltará contra o ‘opressor’; se libertará. Belos discursos são proferidos em épocas eleitorais – mas tão vazios quanto os que lá estão ou pretendem estar (pelo menos uma boa parte). Digo que há a necessidade de estarmos atentos a este fator e alertar os menos ligados a estes assuntos. Se você é conhecedor da causa e sabe muito bem o efeito que se produz, alerte a todos do ‘fanfarrão do poder’. Sempre alerta, caro leitor! 20/09/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES

 

LOGOSOFIA - O QUE É?

Outro dia acessando o meu site vi uma propaganda que me chamou a atenção – falava sobre um assunto que nunca tinha lido ou ouvido falar: logosofia. Sou um pouco curioso, deixei tudo o que estava fazendo e fui à procura desta nova palavra para o meu vocabulário.
Descobri que é uma palavra de origem grega e que foi concebida pelo pensador e humanista Carlos Bernardo González Pecotche, em 1930, e significa ‘ciência da razão’. Visa explorar os campos do autoconhecimento, a proposta logosófica é emancipar o indivíduo ao focar principalmente na identificação, classificação e seleção dos próprios pensamentos. Depois desta definição, fiquei pensando: realmente precisamos nos identificar, nos classificar e começarmos a aprender a selecionar os nossos pensamentos – primeiro o nosso, depois, se possível, o dos outros.
E completa: é uma ciência nova, que revela conhecimentos de natureza transcendente e concede ao espírito humano a prerrogativa de reinar na vida do ser a quem anima. Conduz o homem ao conhecimento de si mesmo, de Deus, do Universo e de suas leis eternas. Apresenta uma concepção original do homem, em sua organização psíquica e mental, e da vida humana em suas mais amplas possibilidades e proporções. Pensou seriamente nestes conceitos?
Se pegarmos um a um, se analisarmos uma a um, vamos muito longe. Abordarei apenas alguns: ‘conduz o homem ao conhecimento de si mesmo’ – será que estamos preparados para nos conhecer? Para sabermos de nossos valores, dos nossos direitos e obrigações para nós mesmos, para com o próximo? E, mais um: ‘estamos preparados para encontrar com Deus’? Este também é de se pensar muito, pois segundo as religiões, e segundo os ensinamentos bíblicos, temos que ter fé – pois sem fé é impossível agradar a Deus, logo, sem fé é impossível vê-lo. E lendo mais, fiquei sabendo que o objetivo central desta ciência é levar o homem a ter conhecimento de si mesmo.
Outro sim, fiquei pensando: será uma religião?  Percebi que não, mas uma forma de raciocínio diferente, ou seja – como os próprios dizeres da página que consultei: a crença sem reflexão foi e continua sendo uma das maiores responsáveis por entorpecer o desenvolvimento moral e espiritual do ser humano. Isso porque a fé, quando baseada pura e simplesmente na própria fé, produz uma certa inibição mental que dificulta o exercício da razão ao afirmar que a reflexão é o que expõe o homem ao engano, à heresia, ao paradoxo. A Logosofia institui, portanto, a necessidade da revisão de todo conceito – velho ou novo – admitido sem reflexão e análise, incluindo os formulados por esta própria doutrina filosófica. Através da experimentação e revisão contínua do compreendido, é possível assegurar-se um processo de aprendizagem em evolução, que irá preservar o homem dos mistérios de toda fórmula dogmática. Então: uma forma diferente de entender as coisas, o mundo, o próximo.
Ainda diz que qualquer um pode estudar a Logosofia, pois os estudos buscam satisfazer as inquietudes espirituais e melhorar seus relacionamentos inter e intrapessoais – é uma ciência eminentemente experimental: ‘Aquele que estuda e pratica os ensinamentos logosóficos aprende a conhecer seu mundo interior. A Logosofia também orienta o ser humano a adestrar-se na utilização das faculdades de sua inteligência, de modo a ser capaz de criar pensamentos próprios de índole construtiva’.
E, para finalizar esta palavrinha de hoje, como colocá-la em prática? Diz: ‘à medida que se volta para dentro de si mesmo, cada um vai descobrindo o valor dos ensinamentos diante das questões que o cercam. Cada um é, pois, herdeiro dos próprios esforços: o método propicia ao indivíduo estudar tudo o que experimenta e experimentar tudo o que estuda’. Exemplo: ao estudar um livro sobre os sentimentos humanos e os cuidados necessários para preservá-los, estuda-se um conceito. Porém, ao fechar o livro e olhar para a realidade que o cerca é que o indivíduo tem a oportunidade de praticar o que acabou de estudar, pois é ali onde se encontram os seres pelos quais ele possui os melhores sentimentos. Esta prática é que o leva à construção de uma nova individualidade, com consciência e controle de suas próprias ações. E, se tiver mais dúvida sobre o assunto, é só sair a campo e ir mais fundo no assunto. 13/09/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES

 

A SUAVIDADE AO ALCANCE DE TODOS

Você, caro leitor, já deve ter visto ou ouvido falar que algumas pessoas têm o hábito de cheirar tudo que lhes caem às mãos. Outro dia achei estranho que uma aluna – do Ensino Médio – cheirava todos os livros que eu levava para a sala de aula. Dirigia-se à minha mesa, olhava-os e os cheirava. Todos os presentes na sala riam da atitude dela, mas...
Em minha casa a minha amada Lorita sente o cheiro das coisas de longe – e eu não sei se isso é bom ou ruim, mas creio que deve ter algum ponto positivo nisso. Eu, particularmente, não consigo sentir o que ela sente de longe – será que é treino, como muitos dizem? Assim, como cheirar livros: bom ou ruim?
Questionei-a sobre cheirar livros, disse-me que era um velho hábito, que gostava, que – além das leituras constantes que fazia, precisa ter em suas narinas o cheiro do papel do livro, fosse ele novo ou velho. E tem mais: gostava de comprar livros, de tê-los para si – inclusive tinha um armário para guardá-los. Às vezes colocava-os para tomar sol (e fazia isso por recomendação de um certo professor de Literatura).
Há pessoas que gostam de cheirar muitas coisas – por exemplo: cheiram o copo antes de tomar qualquer coisa nele. Eu gosto de cheirar as flores. Assim que as vejo, toco-as levemente com as mãos e abaixo-me até elas para sentir, par sorver o seu perfume. Os cheiros são os mais diversos possíveis – alguns mais gostosos e outros menos, se assim posso dizer. Mas há de ser ter um enorme cuidado ao cheirá-las: em seu interior pode se ter pequenos insetos recolhendo o pólen e estes serem sugados para dentro de nosso organismo – ou pior, parar nas vias respiratórias. Então: cuidado extremo ao realizar tal ação.
Ainda falando em cheiro, aroma, há pessoas que balançam uma taça de vinho e reconhecem muitos elementos presente no vinho – até a procedência. Andei pesquisando e degustar o vinho é uma arte – parece coisa mágica. E esta arte se consegue com o tempo, de forma individual – aprendendo sozinho, ou de forma coletiva (observando, trocando ideias). Segundo a minha pesquisa, somente a análise química consegue determinar e quantificar as substâncias contidas num vinho; só a análise sensorial é capaz de responder se o vinho é bom ou ruim e por quê. O exame visual é importante: ele diz se o vinho é jovem (esverdeado ou amarelo-claro para o branco, vermelho-púrpura no tinto) ou mais envelhecido (amarelo-escuro no branco e vermelho-alaranjado no tinto) – entre outras características.
Fico aqui pensando: para tudo neste planeta há uma saída, exceto, como sabemos, para a Dama de Preto. E tudo o que há já houve um dia – talvez de forma diferente e apropriada para a sua época. Logo, creio que cheirar, degustar, de há muito já se tem também. Neste exato momento lembro-me da passagem bíblica que Jesus Cristo, nosso Senhor, transformou a água em vinho – e pediu que enviasse ao mestre de cerimônia que, ao provar, disse ao senhor da festa: “Como deixaste o melhor vinho para o final da festa, tendo em vista que este deve sempre ser apresentado no início da mesma!” – oras: naquele tempo já havia o cidadão que ficava ‘testando’ a qualidade do vinho. E, para fechar, as narinas de muitas pessoas são tão ‘calibradas’ – se assim posso dizer, que sentem o cheiro de um determinado perfume de longe e conseguem nomeá-lo. Eu, nem de longe nem de perto – sou péssimo! Mas gosto de cheiros suaves. 06/09/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES

 

FLORES E AMORES

Flores e amores são palavras que combinam; flores e amores são palavras de grande peso, de grandes significados, que caminham juntas, contínuas – e de forma paralela. A primeira é uma marca constante na vida do ser humano – a segunda também. Logo, por onde começar? Aliás, são palavras que podem gerar grande número de ideias...
As flores estão presentes nos mais variados acontecimentos da vida humana – desde o nascimento até a morte. Muitas famílias têm a tradição de enviar flores quando os bebês chegam a este mundo – saudando a chegada da criança, a alegria da mãe, mas com um detalhe que deve ser sempre observado: as flores devem ficar do lado de fora do quarto, pois o perfume pode causar alergia (isso no hospital), em casa a mãe deverá deixar longe do bebê e enfeitará a casa; na morte, além de estarem presentes nas urnas, estão presentes também nas coroas de flores; nos túmulos.
Em outras oportunidades as flores encantam também, como em festas, casamentos e igrejas. E, entre as flores que me encantam cito as rosas e as orquídeas. As primeiras – rosas – as aprecio em todas as espécies, em suas cores, em seus perfumes/aromas; puras ou enxertadas produzem flores multicores. Mas tenho, como qualquer um, as preferidas: as vermelhas – e as aveludadas me atraem ainda mais.
Já as orquídeas são espetaculares – espetaculares! Um dia deste, neste espaço, escreverei sobre estas que me encantam – que encantam a muitos. De todos os tons, formatos e cheiros. Tenho uma, que ganhei de minha sogra Edenir, que exala o suave aroma de chocolate. Sempre que as encontro bonitas nas lojas ou supermercados, as levo para casa. E acrescento uma violeta: em casa tenho violetas e orquídeas das mais diversas cores que enfeitam a casa, que dão um tom de magia no ambiente familiar – se você não acredita no poder do encantamento delas, leve algumas para casa e as deixe em vários lugares da casa e, com certeza, se sentirá bem melhor ao contemplar a formosura que elas têm.
E não se pode esquecer que as flores saúdam os amores – digo os amores porque temos vários amores na vida, a começar pelo amor materno – quer amor mais profundo que este? O amor paterno, fraterno; o amor de relacionamento homem e mulher – quer amor tão sentimental como este? O amor das conquistas, entre outros tantos amores.
Os mais (que são muitos) devem ser preservados na memória. Amores conquistados: jamais esquecemos – e refiro-me às coisas conseguidas, e não apenas ao que se pode dizer de amor carnal que nos é passado através de nossas famílias e relacionamentos. As conquistas devem ser comemoradas, de preferência, com flores. E, seguidas de fotos... De preferências, muitas fotos, e de todos os ângulos!
Se apoiarmos nas conquistas alcançadas, vamos longe. Como exemplo, cito o processo das conquistas das mulheres na sociedade e vale lembrar que só foram possíveis tais conquistas a partir do processo de democratização da própria sociedade. Com este processo as mulheres foram à luta, saíram às ruas, protestaram com veemência – e há pouco tempo até tiraram parte de suas vestimentas (Marcha das Vadias – que se iniciou no Canadá e se estendeu por várias partes do mundo, inclusive em várias capitais dos estados brasileiros e que cobram, entre outras coisas – aqui no nosso país, a legalização do aborto e um Estado laico), se pintaram...
Logo, flores e amores sempre caminharão juntos – e, quando não for possível mais (principalmente em um relacionamento), há de lembrar que as flores e os amores possuem espinhos – defesa natural, necessária. O final de um amor e o de uma flor é sabido: transpassam os sentimentos e as dores, mas deixaram claros que marcaram cada segundo com suas respectivas presenças – e, às vezes, sem dizer uma só palavra! 27/08/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES

 

LIMPANDO O BAUZINHO

Às vezes vou à Igreja – não sou aquele fiel constante como deveria ser (como dizem que precisamos ser, e eu também digo – mas muitas vezes me vejo não fazendo o correto), mas tento fazer a minha parte – e sempre vou pensar assim, independentemente da Igreja que entrar, pois vou para ouvir e atentamente o sermão.
Cmecei este texto assim para dizer que na última semana fui à Igreja e na hora do sermão foi dado como exemplo o título acima: limpeza do baú. Mas a partir desta ideia pode se pensar tantas coisas – verdade ou não, logo vou apoiar na história que ouvi e somados aos meus conhecimentos de mundo, aos meus conhecimentos religiosos vou relatar uma pequena história e que cada um, ao final, retire a sua parte colocando-a em prática.
Vale lembrar, antes que reclamam, que o cronista apoia os seus manuscritos em fatos do dia a dia, em história que ouve, em situações que observa – logo, tudo isso passa a ser material para exploração de futuros textos – inclusive, faz parte do ofício do cronista andar com uma cadernetinha e uma caneta para anotar tudo que, possivelmente, possa ser apanhado de ideias para um texto – pelo menos é isso que ensino nos meus Cursos de Crônicas.
E as palavras ditas no sermão ficaram martelando dentro da minha mente, e diziam (uso as minhas palavras para contar, e não as do pregador, pois seria eu um falso em dizer que tudo ele falou, mas assimilei o recado e reescrevo aqui a partir do meu ponto de vista, tentando não fugir muito da real pregação): um garotinho ‘achou’ um pequeno baú no sótão da casa do bisavô, trouxe-o para baixo e pediu ao bisavô o bauzinho. O bisavô, sem muitas restrições, deixou o garoto levar, e recomendou que cuidasse muito bem daquela relíquia.
O garoto levou-o para sua casa, limpou-o bem por fora e o colocou de enfeite em seu quarto. Todos os dias, da sua cama, ficava observando o bauzinho. Um dia, com um pouco mais de idade, observou que limpara o bauzinho apenas por fora – que brilhava –, mas por dentro não mexera. Levantou-se da cama, pegou-o na mão. Observou que precisaria de uma chave para abri-lo. Correu à casa do bisavô.
O bisavô ouviu calmamente o bisneto e disse: ‘Você não é muito curioso. Há quanto tempo estás com o baú e só agora a curiosidade de saber o que tem dentro? Aqui está a chave, mas muito cuidado!’ – o garoto, de posse da chave, dirigiu-se para a sua casa. Em seu quarto, com o bauzinho em mãos, abriu-o.
Por dentro muita poeira; pequeninas coisas – talvez recordações de uma época que não se volta mais. Começou a tirar os mimos de dentro e a limpá-los. Por último ficou o bauzinho. O garoto pegou um pano seco (recordando as palavras do bisavô para ter o máximo de cuidado) e tirou o pó – mas não saiu tudo. O tempo é um senhor rigoroso... Dirigiu-se, com o bauzinho em mãos, para a área dos fundos, umedeceu o pano na torneira do tanque e começou a esfregar no bauzinho para limpá-lo. Queria vê-lo brilhar por dentro também.
Foi neste exato momento que o menino usou mais força para remover as marcas mais velhas, que o bauzinho escorregou das mãos do garoto e, como se fosse mágico, com pés mágicos, com mãos mágicas, correu sentido da rua – abriu o portão e pela rua abaixo se foi... – nunca mais voltou... Nunca mais se teve notícias do bauzinho!
Fico aqui pensando: às vezes somos, ou tentamos ser, espertos – ou ainda, por fora nos mostramos de acordo com as regras sociais, de acordo com as regras religiosas que seguimos, mas quando nos sentimos apertados, aflitos, que mostramos quem realmente somos. Mais de oitenta por cento fogem dos compromissos com Deus quando colocados em ‘prova’ – e independente da religião que seguem. Por quê?
Por que somos iguais – muitas vezes – ao bauzinho? É de se pensar... Mas, um pouco mais fundo, temos a resposta – há dentro das Sagradas Letras uma passagem que diz que para sermos purificados, temos que ser provados no ‘fogo’, pois como assim se purifica o ouro, assim as aflições purificam o ser humano. Então... Não desanimes se estiveres com provações, pois as provações poderão sempre edificar o Homem. 20/08/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES

 

INFÂNCIAS DIFERENTES

Precisava, com certa urgência, escrever. Vários assuntos vieram-me à mente: pessoas e as suas mais variadas atitudes; o mundo e tudo que nele há de belo; o aprendizado que a vida proporciona, entre outros. Mas um não saiu da cabeça: infância – a começar pela minha, pois falar do outro é fácil, mas de nós é meio complicado.
Não tenho muitas lembranças desta fase da minha vida, mas o pouco que me resta é o bastante para o saber que foi bem diferente das situações que vejo hoje. Naquela época os pais mandavam – hoje os filhos fazem de tudo para mandar nos pais e estes, de certa forma, acabam concordando e deixando os filhos fazerem o que querem.
Os brinquedos são diferentes: hoje vejo pequeninos brincando com joguinhos eletrônicos no computador, no celular – na minha época (até podem dizer que é saudosismo) brincávamos com coisas simples – um carrinho feito de madeira e rodas de carretel de linha (também de madeira), por exemplo. Alguns carrinhos de plásticos – e não muitos, pelo menos eu não tinha muitos: sempre tive vontade de ter um carrinho do corpo de bombeiros e, quando ganhei, dele não largava. Eram coisas que realmente valiam ter. Infância!
Lembro-me, também, da coleção de bolinhas de gude (bolinhas de vidro) – uma mais bonita que a outra, coloridas e, como sempre, uma tendência maior para as de cor verde: natureza e o time do meu coração. Jogávamos na escola, na terra, com quatro buracos, sendo três seguidos e um à direita, ou à esquerda. Às vezes jogávamos 'valendo' – e quem ganhasse a partida (ir, voltar e ir novamente) levava a bolinha de vidro do adversário embora. Ficava muito sentido quando perdia, quando ganhava era pura festa.
Da minha infância também recordo os livros exigidos pelos professores. Minha família se esforçava e eu tinha todos os livros que os mestres pediam. Recordo que o primeiro livro que li – 'A Ilha Perdida', de Maria José Dupré, depois 'A Serra dos Dois Meninos' - e estes eu tinha até pouco tempo, quando oportunamente doei a uma biblioteca (foram mais de cem livros doados). Perguntar aos jovenzinhos de hoje sobre livro – já sabemos a resposta. E, quando por dever do ofício, peço que leiam, é uma reclamação só! E, pensando nisso, instituímos na escola – pelo menos uma hora de leitura por semana – e em sala de aula!
Podemos dizer que os tempos são outros, sabemos disso – mas as diferenças estão acentuadas de mais. Os dias passam. E mais acentuadas as diferenças. O que fazer? Eis a pergunta que não quer calar; ainda não há uma resposta definida. Há vários caminhos que indicam várias respostas – ainda bem que somos humanos e continuamos sempre a buscar respostas.
Recordei agora, que quando criança queria colecionar figurinhas – não tinha poder aquisitivo para tal (só tive um álbum de figurinhas: de Ciências). Muitos amigos de escola tiveram esta oportunidade (infâncias diferentes). Adolescências diferentes: catorze para quinze anos – trabalho e com carteira assinada. Hoje até colecionam, mas parece que não há aquela paixão verdadeira por colecionar. Creio que quando não se pode fazer plenamente o que se quer – no caso aqui colecionar figurinhas, a paixão é maior.
Citando colecionar, outro dia – uns três ou quatro anos atrás, comprei de uma colega de trabalho uma coleção de cartões telefônicos: duas pastas enormes de colecionador e uma caixa de sapatos lotada – recordo que foi um acontecer em minha vida: uma paixão concretizada. Uma vontade de infância colocada em prática – creio que muitas outras vontades são colocadas em prática a partir do momento que começamos a ter mais regalias. Ou, a partir do momento que podemos decidir o que queremos.
E, se compararmos as infâncias, notaremos muitas diferenças – inclusive na maneira de educar os pequenos. Fico a imaginar daqui a alguns anos como essas diferenças serão mais acentuadas e nós, os mais velhos, assustaremos com determinadas situações. Perguntamos a nós mesmos: o que será deste mundo nos próximos anos frente a esta geração moderníssima? 1508/08/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES

 

TECNOLOGIA A NOSSO FAVOR

Muitos cidadãos que gostam de escrever, que são amantes da escrita, sentem-se frustrados quando descobrem que não possuem poder aquisitivo suficiente para a publicação de suas ideias e em consequência de fator, param de escrever. Mas já está na hora de pensar diferente: essa época já passou. E poucos, apesar de toda tecnologia a favor, usufruem deste conhecimento.
Pode parecer um pouco complicado, mas não é, basta ter um pouco de coragem e sair à luta, começando pela publicação on-line – a publicação em e-books. Há muitos sites que hoje oferecem plataformas em que o autor se cadastra e 'monta' o seu e-book, disponibilizando-o para venda. E vale ressaltar que a porcentagem de lucro na venda do e-book é maior que a publicação tradicional. Mas, também vale ressaltar, que muitos ainda gostam do livro impresso nas mãos.
O Brasil, na América Latina, foi pioneiro neste serviço, através da plataforma do Clube de Autores. E, soma-se a isso, com o surgimento de outros sites de mesmo segmento (www.perse.com.br), a publicação pode ser feita a partir de baixa tiragem impressa – por exemplo: você escreve a sua história e manda publicá-la em apenas um exemplar. Confere de perto o que produziu, faz as correções necessárias – toda plataforma oferece o reeditar do texto (o que é chamado de miolo).
Outro ponto interessante é que não se faz necessário colocar o material para venda (isso em algumas plataformas) – logo, também pode servir para 'guardar' o arquivo. Mas, penso aqui com meus botões: ter a obra escrita e, com oportunidade de tê-la em mãos, por que não publicar? É uma 'coceirinha' que todo escritor tem: ver o que fez materializado.
Alguns autores podem pensar de forma diferente – não querem publicar a obra, nem disponibilizá-la em e-book para venda, mas querem que o público leia o que a sua mente pródiga produziu – simples: disponibilizar a sua produção em download gratuitamente (sem problema algum, pois o dono da obra é o escritor e ele faz dela o que bem entender).
Dentro de todo esse processo que para ambos os lados é interessante (autor / leitor), surge o lado educacional: a oportunidade para o aluno de, junto com seus professores, montarem o trabalho que está sendo desenvolvido. Até pensei num projeto para o próximo ano, ou talvez ainda este ano: 'o aluno escritor'. O aluno passa de leitor a escritor e se sentirá muito honrado em ter o seu trabalho publicado e, pelos cálculos que andei fazendo, que andei pesquisando, a um preço bem razoável impresso. Além do mais, que este pode ser deixado apenas em e-book, sem o compromisso de ter a obrigatoriedade de comprá-lo.
E, pensando num todo educacional, a tecnologia está plenamente a nosso favor e cumprindo a função social da escrita. Para o estudante é diferente escrever um texto que vai virar livro, que vai ser lido por várias pessoas (compartilhado), do que escrever só para o professor corrigir. Escrever para 'livro' é ter, vamos dizer assim, um trabalho mui bem valorizado.
Desenvolvendo a escrita, automaticamente se faz o processo da releitura, do corrigir – do construir o belo, pois todos querem da melhor forma o seu trabalho a ser exposto. Logo, o aluno vai perceber a importância do livro em sua vida – vai passar a 'gostar' do livro, a valorizá-lo, pois este sempre estará presente em sua vida. 08/08/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES

 

A ARTE DO BEM VIVER

Viver bem é uma arte – ou é uma arte viver bem? Aliás, o que seria viver bem? E, para você, caro leitor, o que é viver bem? Andei a pesquisar e descobri que algumas pessoas pensam que viver bem é estar realizado emocionalmente, profissionalmente e, de preferência, perto das pessoas que amam. E sem nenhuma exceção.
Concordo quase que plenamente. E, pensando nesta última, viver longe das pessoas que se ama não é nada fácil. Vivendo perto das pessoas que se ama vive-se feliz – não há saudade, pequena palavra de sentido mui grande, que mata!
E continuei a pesquisar – e descobri que amar e ser amado, correspondido, é a melhor opção! Sonhar – como é bom sonhar! E estes sonhos quando compartilhados, melhor ainda. E a partir destes sonhos, criar mecanismos para realizá-los. Logo, implica um pouco de condições dignas de sobrevivência. E pensar assim não é otimismo – é buscar alternativas de realizações e, por consequência, a paz interior.
E em outro lugar achei uma declaração bem interessante: viver bem é viver em equilíbrio. Equilíbrio mental, espiritual, material. É uma boa frase a ser pensada, aliás, uma boa ideia a ser pensada – esse tal equilíbrio, será que conseguimos?
Tirando pela minha pessoa, vejo que é quase impossível! Impossível pelo fato de sermos plenamente humanos – e os humanos sofrem. Veja só este exemplo: as pessoas vivem mal pelo excesso de obrigações, ou seja, criam muitas expectativas em relação a vencer na vida, a ganhar bem na vida, a acumular bens materiais, glória, honra, prestígio – a criar um ‘grande’ nome! E outros pensam até a fazer parte da história – a deixar seu nome na história.
Creio que é interessante deixar o nome na história, mas com certas restrições. Sendo mais claro: respeitando o espaço do outro. Aquele velho dizer: a minha liberdade vai até o limiar de onde começa a do outro. E isso não é correto – pois esquecem o seu mundo interior – esquecem o vivenciar da gratidão. Esquecem o agradecer!
E agradecer é uma das melhores formas de se viver bem. Muitos se preocupam tanto em ganhar que esquecem o agradecer. Esquecem que no jardim há flores e borboletas. Esquecem que nos pomares há frutos. Esquecem que há pássaros nas árvores. Esquecem que há pessoas ao redor – e que um depende do outro. Esquecem o sol e não notam a sua beleza calórica. Esquecem que as pessoas nascem e morrem – esquecem a dor. Esquecem que há partida, que há chegada. Esquecem... Simplesmente esquecem!
Li, também, que a pessoa que tem autoconhecimento sabe trabalhar melhor o seu próprio caminho e não deixa ambição e a vaidade tomarem o lugar dela – quer melhor que essa frase, que essa ideia? E para ter autoconhecimento somente através do tempo, pois somente ele é capaz de proporcionar tamanha serenidade à vida humana.
E, para terminar, naquelas famosas frases de pensadores li o seguinte: ‘Quer viver bem? Tema a Deus, coloque-se no lugar do próximo, divida o pão.’ Então – é pensar e colocar em prática tais conselhos, pois amar a Deus é mandamento; colocar-se no lugar do outro – amar ao próximo como a si mesmo, é mandamento; dividir o pão – eis a questão. Então, pense: fé, esperança e muito trabalho – 'Faça a tua parte - disse Deus - que Te abençoarei'. 02/08/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES

 

ESCRITORES MARCANTES

Hoje presto uma singela homenagem a três importantes nomes de nossa Literatura – nomes que, de um jeito ou de outro, marcaram muito aqueles que são amantes das letras. Eles – cada um em sua proporção – fizeram por merecer as honrarias que receberam. E, para nossa tristeza, apenas lembrá-los a partir de suas produções.
O primeiro nome que cito aqui é do escritor João Ubaldo Ribeiro falecido em 18 de julho. Ocupava a cadeira de nº 34, da Academia Brasileira de Letras – desde o ano de 1993. Ganhou o Prêmio Camões (o oitavo escritor brasileiro a ganhar), o mais importante em Língua Portuguesa, no ano de 2008, e ganhador por duas vezes do Prêmio Jabuti (o mais importante do Brasil) com as obras ‘Sargento Getúlio’ e ‘Viva o Povo Brasileiro’ (1972-1984). Teve algumas de suas obras adaptadas para as telas, como ‘O Sorriso do Lagarto’, ‘O Santo que não acreditava em Deus’.
O segundo nome que cito é o do escritor, pedagogo, teólogo e psicanalista Rubem Alves falecido em 19 de julho. Com mais de 160 títulos publicados – muitos de sua área de atuação, além de infantis, contos e crônicas distribuídos em vários países. Lembro-me que ao ler os seus textos é sempre notável uma atenção ao ato de ensinar, que é um momento único, especial. É considerado uma das principais referências no pensamento sobre educação: ensinar é um ato de alegria, um ofício que deve ser exercido com paixão e arte.
O terceiro nome que cito é o do escritor e dramaturgo Ariano Vilar Suassuna falecido em 23 de julho. Ocupava a cadeira de nº 32, da Academia Brasileira de Letras – desde o ano de 1989. Entre as suas obras, cito ‘Auto da Compadecida’ (1955), ‘A Pedra do Reino’. Há boas frases de Ariano Suassuna que vão ficar na memória: “A massificação procura baixar a qualidade artística para a altura do gosto médio. Em arte, o gosto médio é mais prejudicial do que o mau gosto… Nunca vi um gênio com gosto médio.”, “Que eu não perca a vontade de ter grandes amigos, mesmo sabendo que, com as voltas do mundo, eles acabam indo embora de nossas vidas.” e, para finalizar “A tarefa de viver é dura, mas fascinante.” – e como é fascinante! Com todos os problemas que aparecem, sempre lutamos pela vida que temos, pois só há uma vida!
Agora que estes e outros se foram – estes citados a nível internacional, outros com menor expressão, e nós mortais a brigar com as letras, o que vale é correr atrás de produzir bons textos para no futuro – e não está tão longe, quando desta terra partirmos, sermos lembrados cada um em seu cantinho que deixou um legado cultural em sua terra. Que não passou pela terra simplesmente, mas que passou e deixou marcas que serão sempre lembradas.
E, falando em marcas, fico a imaginar quando retirarem o baú que foi enterrado em frente ao Espaço Ferroviário – falando de Araçatuba: quantas coisas serão lembradas! Lembranças: fiquei comovido ao mexer nas páginas da net e descobrir que existe no Museu ‘Marechal Cândido Rondon’ uma revista – A Cultural – datada de 1939. Relíquia que fui esta semana comprovar de perto.
Voltando ao assunto, quantas coisas daqui a alguns anos serão descobertas destes autores que se foram – obras inéditas (como aconteceu com vários autores que temos conhecimento). Possivelmente, se mexermos carinhosamente nos baús de nossas residências, principalmente de nossos avós, descobriremos coisas do passado que, na atualidade, revelam muitas histórias. Você, caro leitor, já olhou o baú de seus queridos que já se foram? Não é a busca apenas do financeiro, é a busca da história, da história de nosso povo que – nas gerações atuais – poucos se lembram. 26/07/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES

 

OLHAR E ESCREVER

Não sei o motivo, a razão, mas as circunstâncias não eram as mais favoráveis, porque quem de longe olhava notava o que acontecia.
Aqui, bem próximo, ela discutia com ele. Roupas claras, cabelos avermelhados, colar no pescoço e deste pendiam três pimentinhas que ficavam à mostra. Ele de terno branco, gravata-borboleta preta e, nas mãos, rosas vermelhas. Discutiam.
Quem os via, via além deles lá longe, num campo aberto, um redemoinho que levava tudo – inclusive as rosas que, minutos depois, estariam ao chão. 09/06/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES

 

NO OLHO DA RUA

O trânsito parou – ele estava próximo do meio da rua, próximo do cruzamento, próximo das faixas de pedestres. Estava imóvel, de mãos nos bolsos da calça.
O tempo estava meio frio. Deixava-o meio abalado, somado aos últimos acontecimentos: tudo meio parado.
Olhava-se interiormente e começava a entender o que significava estar no meio da rua, depois de anos e anos de trabalho no mesmo lugar.
Pedia-se evolução. Negava-se a enquadrar nos meios. Logo, o resultado. 12/06/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES

MEUS FOLHETINS

FOLHETIM 20

FOLHETIM 19

FOLHETIM 18..FOLHETIM 17..FOLHETIM 16

FOLHETIM nº 15..FOLHETIM Nº 14..FOLHETIM 13

FOLHETIM 12..FOLHETIM 11..FOLHETIM 10

FOLHETIM 09..FOLHETIM 08..FOLHETIM 07

FOLHETIM 06..FOLHETIM 05..FOLHETIM 04

FOLHETIM 03..FOLHETIM 02..FOLHETIM 01

DÊ UM CLICK E ACESSE OS FOLHETINS

(18) 99702-5883 - contato

 

SITE: AS NOTÍCIAS DE SUA CIDADE E REGIÃO

(Em construção) Em breve contaremos com mais um site que virá de encontro aos interesses da população, com notícias de sua cidade e região - Araçatuba / SP

 

BOA DICA - FAÇA SEU GIBI...

.

Lembre-se que:

847 mil réis foram pagos pelo aluguel do Teatro Municipal de São Paulo para realização da 'Semana de Arte Moderna de 1922'.

.

CONCURSOS LITERÁRIOS

.

É proibido fazer cópias do conteúdo deste site - entre em contato, peça autorização. Saiba que plágio (copiar) é crime previsto no Artigo 184 do Código Penal, Lei 9.610.

As matérias aqui postadas, quando de não autoria de Pedro César Alves, têm autorização dos escritores, e ou Prefeituras, Departamentos - ou são de domínio público.

** Algumas imagens são tiradas de sites da net para simples ilustração.

.

Site organizado/coordenado por: Prof. Pedro César Alves - MTE nº 71.527-SP.

.

CONTATO

FALE COM O PROF. PEDRO CÉSAR

(18) 99702-5883

ARAÇATUBA / SP

.

*

.

contador de visitas

Voltamos à marca inicial após 100 mil visitas!

Copyright Editor

Prof. Pedro César Alves

Todos os direitos reservados

- 2010-2014 -

.