(18) 99702-5883

SEJA UM PATROCINADOR

CONTATO

MAPA DO SITE

 

ESTUDE: LITERATURA

QUESTÕES LIT - Nº 01

QUESTÕES LIT - Nº 02

QUESTÕES LIT - Nº 03

QUESTÕES LIT - Nº 04

 

ATIV. TEXTUAL * Nº 01

 

QUEST. PARAISÃO * Nº 01

QUEST. PARAISÃO * Nº 02

 

TEMPO NA REGIÃO

 

EF no 'PARAISÃO"

2011 - EF no 'PARAISÃO'

Prof. Pedro César - Coordenador

 

PORTAL PM ARAÇATUBA/SP

1908 - 2013 = 105 ANOS

 

LITERATURA COMENTADA

No final desta página você encontra outros números do FOLHETIM.

 

"ESCREVER... É ARTE"

CRÔNICAS PUBL. EM 2014

CRÔNICAS PUBL. EM 2013

CRÔNICAS PUBL. EM 2012

CRÔNICAS PUBL. EM 2011

CRÔNICAS PUBL. EM 2010

CRÔNICAS NÃO PUBL. - 2013

CRÔNICAS NÃO PUBL. - 2012

CRÔNICAS NÃO PUBL. - 2011

 

Prof. Pedro César Alves tem livro publicado, par- ticipações em cole-tâneas e on-line.

LIVROS DO PROF - BAIXE-OS

POESIAS DO PROF - 1999-2014

LEIA: UMA LOCOMOTIVA...

 

LER EXERCITA O CÉREBRO!

RECANTO DAS LETRAS

Textos de Pedro César Alves

.

Pedro César Alves,

Cadeira 199 (desde2002)

 

 

RELÓGIO DE PÊNDULO

Click na imagem acima e leia o conto "RELÓGIO DE PÊNDULO", premiado no 26º Concurso de Contos 'Cidade de Araçatuba' / 2013.

 

CONCURSOS LITERÁRIOS

 

RECONHECIMENTO

TROFÉU ODETTE COSTA - 2011

Troféu 'Odette Costa - 2011'

- por 'Divulgação Cultural'

.

VOTO DE APLAUSOS

No dia 13/02/2012, às 19h, na Câmara dos Vereadores, em Araçatuba, recebi 'Voto de Aplausos', indicado pelo Vereador Prof. Cláudio, e subscrito pelos onze vereadores - pelos relevantes serviços prestados junto à comunidade, através do Programa Escola da Família e 1º CulturArte/2011, na EE "Dr. Clóvis de Arruda Campos" - Paraisão.

.

REVISTA

Revista 'Plural', da Academia Araçatubense de Letras, 20 anos, 2012.

Participação do prof. Pedro César Alves, p. 125/126,

Texto: "Caminhar faz crescer"

 

REFLEXÕES (IM) PARCIAIS

EDIÇÃO Nº 001

 

 

ARQUIVOS EM PDF

 

CRÔNICAS 2011

CRÔNICAS DE JUNHO

CRONICAS DE MAIO

CRÔNICAS DE ABRIL

CRÔNICAS DE MARÇO

CRÔNICAS DE FEVEREIRO

CRÔNICAS DE JANEIRO

CRÔNICAS 2010

CRÔNICAS DE DEZEMBRO

CRONICAS DE NOVEMBRO

 

 

SITES DE AMIGOS

SITE - DICIONÁRIO

Prof. Mário César Rodrigues

***

SITE TELESCÓPIO - ARAÇATUBA

Leiam 'Site Telescópio' (Everi Carrara)

***

RESTAURAR - ARTE SACRA

Conheça o blog acima... e veja como toda arte pode ser restaurada...

***

Leiam 'Cia dos Blogueiros'

***

 

REFLITA UM POUCO...

 

 

 

SITES INTERESSANTÍSSIMOS

ACORDO ORTOGRÁFICO

CONJUGADOR DE VERBO

LIVROS DE DOMÍNIO PÚBLICO

MUSEU VIRTUAL DE BRASÍLIA

MÚSICAS - 100 MAIS EM 100 ANOS

PORTA-LIVROS

RESUMOS LITERÁRIOS

RESUMOS LITERÁRIOS DE A - Z

VIAJAR PELO MUNDO? ACESSE.

1ª CulturArte 'PARAISÃO'

PROJETO PARAISÃO - 2011

 

Praça do Guanabara:

Pedro César e filhos: Júlio e Carol.

***

Dia 15/5, domingo, na Virada Cultural, o escritor Ignácio Loyola Brandão ministrou excelente palestra no Teatro Municipal "Paulo Alcides Jorge". Antes, houve apresentações de membros do Grupo Experimental e da Academia Araçatubense de Letras.

EM 2014:
"Se existir guerra, que seja de travesseiro; se for pra prender, que seja o cabelo; se existir fome, que seja de amor; se for pra atirar, que seja o pau no gato-t-ó-tó; se for para esquentar, que seja o sol; se for para atacar, que seja pela pontas; se for para enganar, que seja o estômago; se for para armar, que arme um circo; se for para chorar, que seja de alegria; se for para assaltar, que seja a geladeira; se for para mentir, que seja a idade; se for para algemar, que se algeme na cama; se for para roubar, que seja um beijo; se for para afogar, afogue o ganso; se for para perder, que seja o medo; se for para brigar, que briguem as aranhas; se for para doer, que doa a saudade; se for para cair, que caia na gandaia; se for para morrer, que morra de amores; se for para violar, que viole um pinho; se for para tomar, que tome um vinho; se for para queimar, que queime um fumo; se for para garfar, que garfe um macarrone; se for para enforcar, que enforque a aula; se for para ser feliz, que seja o tempo todo; se for pra cheirar que seja a flor; se for pra fumar que seja a cobra; se for pra picar que seja a mula.” - - enviado por Carlito Lima.

.

OBS.: Se você precisa publicar algum trabalho para obtenção de notas para o seu Curso Superior, entre em contato!

 

LER É O MELHOR CAMINHO

Prof. Pedro César Alves - MTE nº 71.527-SP.

O MUNDO ESTÁ EM CRISE, NÓS ESTAMOS EM CRISTO!

VALORIZAMOS A EDUCAÇÃO E A CULTURA

 

BEM-VINDO (A)

 

ESTE SITE TEM O PATROCÍNIO

MATRÍCULAS ABERTAS

EDMARY CHACON

BLOG: HISTÓRIAS E NOSTALGIAS

A escritora Edmary Chacon em seu blog relata, diretamente do túnel do tempo, as mais belas 'histórias e nostalgias' que ouviu de amigos e parente e, ou vivênciou - Bilac / SP

 

LANÇAMENTO DE LIVRO

PARA CASAIS FELIZES

O livro “Casar! Contra quem?”, Canal 6 Editora – Bauru-SP - assusta pelo título, pois já põe em evidência a contradição da vida a dois, mostra que a ironia será a tônica dos textos. A frase: “Casar! Com quem” é desmoralizada de início.

Hélio Consolaro, o autor, é um transgressor por natureza. Apesar de exercer um cargo público em Araçatuba, secretário de Cultura, não perdeu a irreverência com o “status quo”.

Ao apalpar o livro, vai encontrar a seguinte frase na quarta-capa: “Leitura recomendada para casais felizes. Porque não se trata de autoajuda. O leitor vai encontrar nestas páginas a felicidade dos encontros e o sofrimento das separações. A vida a dois como ela é.”

As orelhas apresentam os currículos conjugais do autor (Hélio Consolaro) e do ilustrador (artista plástico Henry Mascarós). Novamente, há a frase: “Uma leitura para casais felizes, porque os infelizes já conhecem tudo de cor”. Já Henry Mascarós, na mesma linha da ironia, afirma que namorou sua esposa desde os 17 anos, portanto todos os relacionamentos ex-traconjugais “oficialmente” aconteceram antes disso. Menino precoce.

O livro apresenta 34 textos, entre crônicas e contos, e uma novela, “O pra sempre sempre acaba”, verso de música de Renato Russo, além das 28 ilustrações em preto e branco criadas por Henry Mascarós após a leitura do livro, perfazendo 156 páginas, R$ 39,00.

Há também algumas partes especiais. O prefácio é feito pela letra de música “O amor é feio”, com a seguinte introdução: “De tanto gostar, de tanto ouvir, chamei a letra da música de Arnaldo Antunes para prefaciar o meu livro”. Em seguida, apresenta uma lista de duas páginas de aforismos sobre casamento. Na página 59, há a reprodução de uma entrevista com a pesquisadora Laura Kipnis, publicada nas páginas amarelas da revista Veja, em 2004, intitulada “Contra o amor”.

Na capa, há uma fotografia trabalhada artisticamente por Henry Mascarós que apresenta leão e leoa na mesma jaula. A fêmea avança ferozmente sobre o macho, que fica acuado num canto.

Hélio Consolaro afirmou que não é contra o casamento, mas brinca com o “pra sempre” e disse que a frase dita pelo padre na cerimônia religiosa: “’O que Deus une, o homem’ não separa não é uma bênção, é uma praga, pois não separa mesmo, sempre ficam enrolados, mesmo depois da separação, principalmente se houver filhos”.

Ótimo livro para se ler no consultório médico, no ônibus, no metrô, mesmo no banheiro, sem exigir muita concentração, pois os textos são independentes. Além disso, várias ilustrações que ajudam na leitura do livro.

 

CASAR? EIS A QUESTÃO...

Neste sábado, entre 16 e 22 horas, na livraria Nobel, em Araçatuba (rua Cussy de Almeida, nº 1071) acontecerá o lançamento do livro ‘Casar! Contra quem?’, de Hélio Consolaro – professor, escritor, acadêmico e secretário de Cultura de Araçatuba.
A obra traz contos, crônicas e uma pequena novela em seis capítulos. E o mais legal que não se trata de uma obra de autoajuda, mas a realidade de encontros e desencontros que a vida a dois proporciona. Li a obra e a partir dela faço algumas reflexões – se vão gostar, ou não, é outro assunto. Mas vou dar os meus palpites sobre a vida a dois, sobre o que chamam de amor.
Apenas uma pequena atenção: os meus palpites não vão para os textos escritos pelo professor Consa, mas a partir deles passo a escrever o que penso sobre o assunto – ou seja, comentários apoiados nos textos do Consa.
Nada melhor que dizer que ‘o amor é feio / tem cara de vício / anda pela estrada / não tem compromisso’ – quer melhor que isso? Viver um amor sem compromisso... Totalmente descompromissado! E, para não ficar perdido: ‘ele mete medo / vou lhe tirar disso / o amor é lindo...’ – diz a canção de Arnaldo Antunes, em O Amor é Feio.
Talvez. E será que o pra sempre acaba? Penso que não existe o pra sempre, sou mais ‘o amor é eterno enquanto dure’. O poeta afirma, também penso assim – e acrescento que há momentos felizes. Vale a pena vivenciar estes momentos, e bem vividos. Amor passa – aliás, as pessoas passam (e o amor fica!).
Outra situação interessante é pensar que tudo gira em torno do amor – e, na verdade não é. O amor, através do Cupido, lança a sua flecha e lá vamos por caminhos tortuosos – ou, caminho que ele nos proporciona. Quando paramos, lá na frente, analisamos e concluímos que nem sempre as discussões valeram o sofrer.
Então, caro leitor, você deve estar pensando que eu afirmei que amar nem sempre vale a pena – em parte é verdade, mas em parte não. Então, vou esclarecer: quando o relacionamento é positivo, quando a coisa vai bem, tudo é maravilhoso. Mas quando as coisas não vão bem... Melhor nem comentar. As coisas são as coisas. O amor é o amor. E a vida é assim...
E o amor cria expectativas – às vezes positivas, às vezes negativas. Mas somos humanos e criamos expectativas. E, com elas, nos decepcionamos. O amor proporciona tudo isso, e soma-se um pouco mais. Somando, decepcionamos ainda mais.
Mas o que adianta tudo isso se sempre estamos em busca de alguém ao nosso lado? Sou exemplo vivo dessa situação. Ou, ainda, como dizem por ai: ‘solteiro sim, sozinho nunca!’. Por isso acreditar que o amor é eterno enquanto dure! E nada mais de afirmar que encontrou a metade errada. Não somos metade, somos inteiros.
Por sermos inteiros não devemos nunca estar a procurar outra metade. Temos que nos conscientizar que a sociedade nos modifica em sua vivência – somos originais. Então, a vida a dois é sim complicada, mas vale a pena vivê-la em seus bons momentos (e, quando não for possível, erga a cabeça e vá em frente – sempre há um alguém a espera em algum lugar). 17/12/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES   

 

O ARTISTA NASCE PRONTO

Pensar em ser artista... Creio que muitos já pensaram. Muitos já batalharam para. Poucos conseguiram. É um caminho árduo, possivelmente não nasce pronto, ou nasce?
Antes de entrar no mérito de nascer ou não pronto, é necessário pensar que há o momento de lapidação. E esta lapidação – no meu ponto de vista – se estende pela vida toda. E creio que o meu ponto de vista tem fundamento – argumentando então.
Quando criança a família presta atenção e tenta encaminhar para várias atividades que esta gosta (ou até por satisfação da própria família) – aos poucos acontece a seleção e forma-se bons profissionais. Leva-se alguns anos – os estudos – processo de lapidação.
Alguns nascem com o dom de fazer determinada coisa – e por mais que a família pense o contrário, em algum momento o tal dom aparece. Note em uma criança que gosta de desenhar – provavelmente a família dirá que não é uma boa profissão ser ilustrador, por exemplo, de livros – lá no fundo, quando mais velho, persistindo o dom, os desenhos surgirão.
Ruim é quando você ouve de um bom profissional na área que atua que gostaria de ter exercido outro tipo de profissão e por causa da família faz outra – bate um profundo dó, pois será que terão oportunidade de exercer o que gostariam de ter feito, e não fizeram, em outra vida? Aliás, é outra questão: há retorno? Se existir, será que se lembrarão?
Então, creio que para ser artista há um encaminhamento meio que estabelecido (ou seja: já vem com este destino) – o restante é lapidação: desenvolvimento de técnicas, estudos – entre outros. Eu, por exemplo, aprendi a ler e a escrever. Um dos meus professores da Faculdade dizia que não serviria para a área. Sou teimoso – não sei se sirvo completamente, mas em parte... – mas repito: sou muito teimoso. E continuo a rabiscar. Há momentos que saem belas construções textuais, mas também há dias que nada dá certo.
Mas tem o lado pior: quando se trabalha com hora marcada para entregar o texto e a ideia não vem. Já escrevi sobre a falta de ideias, que virou ideia no momento – e creio que não foi apenas comigo que isso aconteceu... Lembro-me de ter ligo, depois que aconteceu comigo, de mais alguns outros escritores.
Outro exemplo que trago comigo é sobre pintura. Adoro abrir livros, olhar imagens, e a partir delas escrever. Mas o que aconteceu foi que resolvi comprar telas, pinceis e tintas e pintar. Sem noção! Procurei aulas particulares e fui fazer – não saíram obras magníficas, mas estão enfeitando a minha casa, a casa de minha mãe. E, quem sabe, em breve volto a pintar... Ou, pelo menos, a pintar com sete cores...
Na nossa região há muitos bons artistas – de excelentes qualidades e nas mais diversas áreas. Portanto, o artista não nasce pronto. Talvez nasça com alma de artista – e pelo pouco que conheço, toda alma deve ser preparada para um dia voltar e dar conta ao maior dos Artistas – ao Artista que fez tudo que há nesse mundo, que pintou a natureza de todas as cores e tons: Deus, o Criador. Assim é o artista: todo dia se preparando um pouquinho mais... É a busca constante da perfeição que faz o artista realmente ser quem ele é – um ser em processo contínuo da perfeição. 13/12/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES      

 

FESTAS DE FINAL DE ANO

Como sempre acontece em todos os anos: este dois mil e catorze em breve também se finda e com ele as festas começam a acontecer, as confraternizações, as despedidas escolares com apresentações de mural e sarau, entre outros.
Então, lembremo-nos do espírito natalino, da união que foi pregada pelo Grande Mestre e resolvemos pôr em prática – e as outras épocas do ano? Como que ficam? É hora de se pensar sobre as nossas atitudes.
Creio que não adianta ficar aqui escrevendo sobre a prática de fazer o bem – todos já conhecem, sempre estamos a falar, a ler e a escrever sobre o assunto, então, o melhor é voltar ao propósito do texto: as festas.
Gosto de dezembro – e tenho um motivo muito especial: amanhã é o meu aniversário, apesar de dizerem que a partir de certa idade, a partir dos quarenta, apenas completamos primaveras, invernos, verões ou outonos. Continuo a gostar deste belíssimo mês, não somente pela minha data festiva, mas também pelas grandes festas que nele acontecem...
As festas sempre têm a tendência de repetir, as pessoas nem sempre são as mesmas – algumas mudam, outras saem do grupo, outras partem para junto do Grande Mestre. Trabalhar o ano todo em caráter de vitória, confraternizar: assim aconteceu com os ministros da Paróquia Nossa Senhora da Conceição, em Bilac, no último domingo. Notava-se a alegria nas feições de todos em ter vencido mais um ano levando e ministrando a palavra do Grande Mestre aos necessitados da refeição celestial, do amparo e carinho terrestre. E com votos de continuar fazendo sempre.
Nas escolas, com a chegada do fim dos dias letivos, refrigerantes e salgadinhos são repartidos entre as turmas – confraternização, e, às vezes, com amigo secreto. Mas o mais significativo é quando as turmas apresentam o trabalho de um ano letivo: mural, sarau – ambos recheados de atividades desenvolvidas ao longo de um aprendizado significativo. Sinto-me feliz em fazer parte de servir esta alimentação que vivifica o conhecimento. Apreciar os alunos declamando poesias, o coral entoando belas canções, jovens apresentando belíssima peça teatral sobre o ‘coração’ em sincronia com a plateia, e esta participando com gosto, danças (hip-hop, dança do ventre): é simplesmente encorajador para se pensar num descanso merecido e num voltar às atividades letivas do próximo ano com mais gás... Eu vivi, na última quinta-feira, esta emoção. Aliás, nós professores e alunos da EE 'Dr. Clóvis de Arruda Campos’ – Paraisão – vivemos! O Sarau do Coração foi realmente para mexer com as emoções!
E acrescento a tudo isso, às festas, uma excelente festa literária promovida pelo Núcleo Regional da UBE – União Brasileira de Escritores, que participei no último sábado na Biblioteca Pública Municipal 'Rubens do Amaral', no Espaço do Escritor – um debate literário sobre 'Literatura e Transgressão', com a palestrante escritora Emília Goulart. Foi aí que fiquei a pensar ainda mais no que pode ser considerada transgressão dentro do campo literário – que, por sinal, é muito vasto. Só se tem literatura se houver transgressão – e no sentido melhor que se possa pensar. Acredito que transgredir nada mais é que a realização plena da Literatura – ou seja, a realização do autor em sua plenitude.
Agora, aproveitando o gancho do parágrafo anterior – o assunto literatura e transgressão, por que certas editoras – e até mesmo determinados veículos de comunicação (jornal, revista) não aceitam estes tais tipos de textos transgressores? Aliás, dificilmente aceitam publicar até mesmo uma poesia... Será que o que chamamos de ‘pudor’ afeta muito a problemática das ‘vendas’?
Só para terminar, outro dia conversando com uma editora de um ‘determinado caderno’ de jornal, ela afirmou-me que por motivos comerciais determinados textos, determinados assuntos são ‘proibidos’ de serem publicados. Penso cá com os meus botões – liberdade, liberdade... Onde você está, liberdade? Bem, não sou nenhum santo, mas também fico a imaginar após determinados textos serem publicados o que a recepcionista, e até mesmo o editor (a) do caderno em que o texto saiu publicado deve ouvir... Portanto, como sempre diz – vamos pelo bom senso e evitamos conversas desnecessárias... Quem quiser que o seu texto considerado ‘marginal’ fique estampado em jornal, que monte o seu. 06/12/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES      

 

NO MEU TEMPO ERA ASSIM

No meu tempo de criança era assim – já ouvimos dizer várias vezes tal enunciado, mas também pensamos – pelo menos eu pensei – será que um dia vai acontecer comigo?
Pois bem – acontece. E isso significa que o tempo passou. E não foi apenas no tempo do rei – é no nosso tempo.
Lá atrás diziam assim; também imaginavam como seriam as coisas cinco ou seis décadas depois. E sempre vai ser assim. Todos tentam imaginar o futuro – ele não nos pertence. O passado constitui apenas memórias – recordações boas e más.
Seria interessante poder viajar no tempo. A máquina do tempo – tanto para frente (futuro) como para trás (passado). Para frente poderíamos saber como agir em situações adversas. Para trás – mudar o rumo da história. Um problema a mais a se pensar, seria. Aliás, somente em filmes tudo é possível acontecer.
Lembro que no meu tempo de criança tudo era diferente. Não se tinha computador para jogar – jogávamos, por exemplo, bolinha de gude (bolinha de vidro e se disputava em chão batido – terra, em forma de ‘l’). lembro-me, ainda, de um carrinho feito em madeira, com rodas de carretel em madeira também. E o tempo está passando. Velozmente.
Agora, com mais idade, fico imaginando o que será daqui a cinquenta ou sessenta anos. O que será que a geração da época estará desenvolvendo em termos de tecnologia? Será que estarão colocando em prática o que é apenas desenho animado? Ou estarão mais avançados?
No tempo de El-rei... Melhor, no meu tempo a escola pública exigia a leitura de bons livros – a leitura dos clássicos. E no futuro – o que pedirão para ler? (Ou a escola permanecerá do mesmo jeito?) – tudo, ou quase tudo muda, mas a educação...
No meu tempo – ou seja, agora, alguns poucos ainda se preocupam com a atividade da escrita. No futuro: será que terão essa preocupação de registrar os acontecimentos? Hoje já se nota que pouquíssimos têm esta preocupação, fico a imaginar como será com a tecnologia mais avançada – quero esquecer esta imaginação imediatamente. Aliás, a ciência que estuda os manuscritos está desaparecendo.
Tudo gira em torna da tecnologia. Ligamos o computador, escrevemos, salvamos; no outro dia abrimos o arquivo, alteramos o texto, salvamos e assim vamos criando – publicando em blogs – e os direitos autorais não sendo respeitados. Há controvérsias. Alguns podem pensar de forma diferenciada: desde que publicam na rede, todos têm o direito de uso. Não quer que use, não publique. Publicou na rede: declarou ao mundo – e pensar diferente é meio estranho.
Neste meu tempo, tempo de homens presentes – mas ausentes, é assim: fala-se muito e faz-se pouco. Ainda mais quando se tem vários canais de divulgação ao mundo e a um baixo custo. E sempre ouviremos que no meu tempo era assim – puro saudosismo.
Mas volto a repetir: ai que saudade do meu tempo de criança, do tempo que não volta mais – apenas vagos momentos de belas, ou não, recordações. Mas no meu, no seu, no nosso tempo era assim... 26/11/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES  

 

A ESPERA

A espera de quê?
Há muitas coisas a esperar. Muitos esperam um milagre – mas será que possuem fé para alcançar? Muitos esperam sucesso, mas será que fizeram por merecer? Muitos esperam pela paz, mas fizeram por tê-la?
São tantas coisas a se pensar sobre as possíveis, ou não, possibilidades de acontecer, de receber, que fico a imaginar o que o ser humano é nesta terra. Uma terra que foi criada com amor, mas que aos poucos é transformada por atos inconsequentes do ser humano.
A inteligência dada ao ser humano nem sempre o favorece. E com ela criou-se muitas coisas positivas, como sabemos, mas há um grande número de coisas negativas – onde o próprio homem acaba colaborando com a sua destruição. Parece o fim – ou o começo do fim? E acrescento – é o cumprir das Sagradas Letras – embora muitos não acreditem.
Poderia citar aqui muitas coisas que o cérebro humano desenvolveu – apenas alguns exemplos: casas confortabilíssimas, carros velozes, jogos os mais variados, uma medicina capaz de ir a fundo no ser humano – mas... E a paz interior? E a paz exterior?
A paz interior é uma busca constante. Tão constante que deixa qualquer um em determinado período da vida desolado. Digo em um período da vida por se tratar, pelo menos do meu ponto de vista, de situação alternada, pois se fosse contínuo entraríamos em ‘parafuso’, pois uma situação incontrolável é terrível. Nenhum humano tem capacidade para aguentar.
E, nesse sentido, o milagre da vida acontece – pois estarmos oscilando deixa-nos menos preocupados com o fim. Pois este tarda, mas nunca falha. A fé que temos faz-nos darmos o próximo passo – mesmo que vacilando, mesmo que em dúvida... E assim caminhamos rumo a um desconhecido. Imaginamos, mas não conhecemos de fato – e a fé tem este poder.
E a paz exterior é um tanto menos complicada – basta olharmos menos para a ganância do homem que, pouco a pouco, atingirá o seu objetivo. Mas no atual momento estamos contemplando o contrário: nações destruindo nações – e pior: depois enviam homens para reconstruírem o que tiveram a ganância de alcançar.
E usando algo que muitos já conhecem, usando a ordem das letras de nosso alfabeto, o sucesso vem à frente apenas no dicionário, pois na realidade temos que primeiro trabalhar arduamente para alcançar os objetivos traçados. Sucesso aparecerá – mas feliz é o homem que o alcançou com plena dignidade de seus talentos. E penso assim em qualquer área do conhecimento.
A soma de tudo isso me causa um pouco de angústia. A paz exterior ajuda a construir a paz interior. O trabalho traz o sucesso – mas é difícil dizer isso àqueles que trabalham de sol a sol e não conseguem evoluir financeiramente (e estão fazendo por acontecer – surge, então, o problema de oportunidades). E de tudo isso há apenas uma chance – ter fé para que o milagre aconteça.
E, nos dias atuais, o homem está com pouca fé. Logo, poucos milagres estão acontecendo. Mas o homem ainda acredita no homem e na força que ele tem – mas sabe, também, que tudo é possível a partir da força que emana do seu Criador – Deus, que faz o milagre da vida acontecer todos os dias. Basta olhar as flores: como são lindas em seu explodir contínuo... 21/11/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES  

           

PARADA DE ÔNIBUS

Duque de Caxias – quem foi ele mesmo? No momento não importa tanto; pulando essa parte, passei a observar parte de minha cidade: venda de ambulante encostado à parede – sandálias, chinelos, cintos e outros utensílios derivados do couro...
O onibus retangular encosta. O pequeno grupo formado no passeio público dá o primeiro passo ônibus adentro. A partir de poucos metros não os verei mais. Talvez. Os verei em outras oportunidades talvez – pois, como dizem as boas crônicas – no ônibus, quem os frequentam, na maioria são conhecidos – fazem o mesmo trajeto todos os dias e sempre no mesmo horário. Terei, então, de estar no mesmo lugar à mesma hora...
Pla janela nos observamos: uma criança de colo sorri pra mim – imagino que sou o destinatário daquele sorriso. Nem quero pensar o contrário, pois ficarei imensamente triste. O sorriso da criança é verdadeiro; comovente.
Do outro lado da rua um ponto de táxi: observei-o por um longo período. Pouco movimentado. Notei, no entanto, que usam muito o chamado mototáxi – e muitas motos passavam por ali carregando os mais variados tipos humanos. Homens, mulheres e até animais encaixotados. Dos dois primeiros: magros, gordos, loiros, negros, ruivos, mestiços, de outras nacionalidades. De calças, de shorts, de saia – de pernas à mostra. E lá vai o sol a queimar...
O ônibus perdeu-se em minha memória. Logo veio outro e com pessoas em pé. Pessoas com sinal de cansaço. Com vontade de logo chegar ao aconchego do seu lar, mesmo que este seja um lar severino. E outras pessoas adentraram o ônibus – mesmo em pé, o importante é chegar ao destino.
Olhei o relógio e aproximava dos ponteiros ficarem juntos: um sobre o outro. Era sábado e na linguagem popular fervilhava o calçadão. O arranha-céu em minha frente botava-me em pensamento: do último andar a contemplar a cidade. No último andar: tudo é mais bonito – mais perto do céu tudo é mais bonito.
Um carrinho de mão abarrotado de papelão cruzou a minha frente. Um senhor acabado pelo tempo o arrastava. A poucas quadras dali a cooperativa onde todo material é recolhido, prensado e de lá enviado para os lugares adequados para reciclagem. Ainda bem que o terreno é descida!
Alguns passos: o Museu Araçatubense de Artes Plásticas e lá os araçatubenses, mais alguns cidadãos do mundo, colocam suas artes expostas aos que possuem bons gostos em visitar. A arte alegra o espírito. Dá ânimo. É vida!
Outro ônibus retângulo. Uma senhora observa, impaciente, os passageiros subirem. Eu também observo e vejo a dificuldade de uma velha senhora obesa ao subir. Rapidamente fico a imaginá-la a passar pela catraca. Que sofrimento!
Atrás deste ônibus já parava outro. Um micro. Uma senhora de meia idade dirigia-o. Olhou-me com um olhar de nem sei o quê! Mas me atingiu profundamente. Desviei o olhar para o fundo do ônibus e lá vi, uniformizada, de cabelos soltos ao possível vento que os acariciaria com o movimentar do veículo. Estava com o olhar longínquo, talvez pensando. Pensando, talvez, na vida, nos amores, nos amores da vida...
Observei-a até o ônibus partir. O som vindo de um carro chamou a minha atenção: anunciava a presença de um circo na cidade. Pelo jeito – um circo badalado.
Fui tomado subitamente por um toque no ombro:
- Perdido por aqui?
Assustei. Recobrei os sentidos terrenos, pois parecia estar ali, mas não estava. Viajava em pensamentos por ares diferentes em busca de soluções – pareciam impossíveis.
- Nem tanto. Olhando a vida passar, buscando ideias para os próximos textos...
E trocamos palavras por alguns instantes. Palavras perdidas, desconexas. Percebi que fazia o mesmo que eu – ossos do ofício de cronista, por isso poucas palavras trocadas.
Fiz sentido descer até a praça São Joaquim – onde encontrava-se estacionado o meu carro – pois na área central é complicado de se estacionar, além dos altos custos sem segurança alguma, mas antes comi um salgadinho com um bom copo de suco próximo à esquina recheada de semáforos. Entrei, logo após, no meu carro. E, em casa, escrevi. 15/11/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES  

 

O LADO SOMBRIO DA VIDA

Em tudo na vida há o lado sombrio. Apesar de ser sombrio, o ser humano gosta. E uso o vocábulo gosta aqui no sentido de não poder viver sem pensar no mesmo. Significa, também, o lado misterioso da vida. E este lado realmente causa transtornos aos que não são bem equilibrados, ou possuem tendências duvidosas sobre a existência humana.
Coloque-se no espelho apenas meio rosto. Um lado ficará refletido, o outro lado não se mostrando, a estranheza surge. Assim, também, a experiência no claro-escuro de nossos pensamentos: o lado sombrio esconde muitas coisas – assim como um porão ou sótão esquecidos às traças. Melhor, as coisas neles depositadas esquecidas às traças.
Começamos a vasculhar os nossos mais esquecidos pensamentos e lá encontramos coisas que, em algum momento, deixamos de lado porque se as usássemos acabaríamos mostrando o nosso lado sombrio de ser – e não adianta negar: em algum momento somos sombrios. Somos sombrios – às vezes, com o nosso próprio ser.
Quando assistimos a filmes de espionagens notamos bem o lado de lá – são tantas artimanhas que pensamos se realmente aquilo pode existir. E, então, surge a questão: a telinha imita a vida, ou a vida imita a telinha – a vida imita a própria vida; logo, tudo pode ser realmente real. Os mistérios estão em todos os lugares. E já li em algum lugar que há mais mistérios entre o céu e a terra do que a vã filosofia do homem possa imaginar.
Frente ao espelho ainda posso sentir a falta que a outra metade me faz. Olhar por inteiro faz diferença e em grandes proporções. É ver-me quase por completo: corpo e alma-espírito. Pela metade falta-me uma parte. Não sou eu por completo – mas apenas parte de mim. O Homem só se sente completo ao se sentir por inteiro.
Sentir-se por inteiro também compete às escolhas que se pode fazer, ao caminho que se pode caminhar, aos amigos que se pode ter, à família que se pode construir, ao trabalho que se pode alcançar; logo, sentir-se por inteiro é nada mais que possíveis conquistas. Nada mais que lugares sonhados, almejados.
E, embora tenhamos a curiosidade e necessidade de termos muitas coisas, algumas – após descobertas, passamos a pensar que seriam melhores como estavam antes. Mas, como diz o velho e bom ditado popular: "A curiosidade mata o gato". E mesmo sabendo de tudo isso, somos teimosos e sempre vamos avante – e avante no sentido de querermos sempre mais.
Pensando um pouco diferente: creio que gostamos de ter o nosso lado sombrio. Com o nosso lado sombrio nos tornamos um pouco misterioso. Parecemos, aos outros, que estamos a esconder algo. E nunca nos revelamos completamente – aliás, creio eu, que nós não sabemos plenamente quem somos – assim, como se comenta: vive-se uma longa vida ao lado de alguém e não o conhecemos direito. São os enigmas da vida.
E, ainda: pode-se comentar o lado sombrio que separa a vida da morte. Deste lado há luz, do outro – não vou afirmar que há trevas, mas segundo as religiões há duas situações: vida eterna com glória nos céus, ou o inferno – e a queimar pela eternidade. São os lados da vida, melhor – vida e morte, mas ninguém voltou a dizer. Apenas aquele que crê pode afirmar tais concepções.
Na vida há muitos enigmas a serem desvendados. Alguns conseguimos desvendar – e nem sempre são o que queríamos que fossem. E muitos nunca serão desvendados – talvez assim seja melhor – pelo menos penso eu. Talvez a afirmação esteja correta: são as perguntas que movem o mundo e não as respostas. E o lado sombrio da vida sempre permanecerá como uma incógnita em nossos pensamentos. 07/11/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES  

 

CASAMENTO POR ADESÃO

Num papo muito bem descontraído numa das manhãs desta última semana, surgiu no meu ambiente de trabalho uma questão que deve atormentar muitas mentes sadias – como chamar tantos amigos para o seu casamento, tendo em vista o custo (e até mesmo o capitalismo que denominamos custo-benefício)?
E conversa vai, conversa vem, aparece uma amiga de profissão com a ideia de casamento por adesão – achei o assunto interessante. E por vários aspectos, apesar de alguns acharem um absurdo as linhas que seguirão abaixo. E digo com propriedade que alguns acharão um absurdo, pois foi só eu comentar com alguns que disseram: ‘Melhor não fazer nada’. Concordar, ou não, é cada um que decide. Eu apenas escrevo.
Mas, de qualquer jeito explico que o cronista ouve muitos papos – e destes tenta aproveitar assuntos para a sua próxima crônica. Eu, após ouvir, degustar, tento passar ao leitor – somado aos meus conhecimentos – uma visão clara do que é a vida. Às vezes, como qualquer escritor, viajo. Pés no chão: é necessário – na maioria dos textos. Aliás – cronista é cronista. Poeta é poeta – é sonhador. (E poeta bom, só após a morte - como disse certa vez um amigo.)
Retomando o assunto, você já se imaginou querendo fazer uma festa, e com muitos amigos a convidar – olha para as finanças, olha para a lista de amigos que gostaria de convidar, olha novamente para as finanças, novamente para a lista de convidados e começa a fazer os cortes. E, de duzentos e tantos convidados, por exemplo, cai pela metade. Mas sua consciência, após os cortes, o acusa. O que fazer?
Simples: casamento por adesão. Festa por adesão (já existe) – e ninguém fica de fora. É ser um pouco cara de pau: diga a sua amiga, a seu amigo, aos parentes, que não tem condições de bancá-los, mas que gostaria de tê-los em sua festa, e solicita a verba (antecipada, é claro!) para o pagamento dos gastos com os comes e bebes, etc. e tal. Creio que boa parte vai topar (se realmente gostarem de você) – e, ainda, poderás contar com a sorte de um bom presente – ou não. Matemática simples, não?
Pode até parecer estranho a situação citada, mas é um jeito de não deixar ninguém de fora. Ah! – para não esquecer: disse esta amiga, também, que alguns organizadores de festas dialogam com os anfitriões e disponibilizam uma lista no dia da festa com os nomes dos jovens solteiros/solteiras – já pensando em próximos casamentos – que mundo capitalista, meu Deus! E coloque capitalista na situação!
E, para encerrar o assunto de hoje, tome cuidado ao chamar os convidados de honra – os padrinhos. É sabido que estes são chamados por interesses (na maioria das vezes), logo, ficaria interessante: os noivos distribuírem – antes da escolha – o seguinte aviso aos 'interessados': vendo um lugar no altar. Um bom cascalho, como dizem, garante um bom lugar no altar ao lado dos noivos. Pense!
É de se pensar em tudo – capitalismo selvagem – é como o grupo Titãs canta: “Ô,Ô, Ô / Homem primata / Capitalismo Selvagem / (...) / Eu me perdi / Na selva de pedra/ (...) / Eu aprendi / A vida é um jogo /Cada um por si / E Deus contra todos / (...) / Eu me perdi / Na selva de pedra / Eu me perdi / Eu me perdi / Eu me perdi / Eu me perdi”. E realmente estamos perdidos que, às vezes, esquecemos quem está ao nosso lado. Há interesses de todos os lados. Cristão, como sou, não concordo com uma citação na canção: ‘E Deus contra todos’ – Deus está sempre a nosso favor, nos ajudando, protegendo...
E você pode estar se perguntando: e o lado humano? Fico eu aqui também a pensar sobre o lado humano: lemos tantas coisas em livros e em redes sociais – ultimamente – e não conseguimos tirar uma conclusão sobre o assunto. Neste caso, por exemplo, eu não consegui completar o meu raciocínio – e creio que deve ter sido por questões lógicas: não fui criado assim. Aliás, a maioria não foi criada assim... 01/11/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES  

 

OLHAR E ESCREVER

Não sei o motivo, a razão, mas as circunstâncias não eram as mais favoráveis, porque quem de longe olhava notava o que acontecia.
Aqui, bem próximo, ela discutia com ele. Roupas claras, cabelos avermelhados, colar no pescoço e deste pendiam três pimentinhas que ficavam à mostra. Ele de terno branco, gravata-borboleta preta e, nas mãos, rosas vermelhas. Discutiam.
Quem os via, via além deles lá longe, num campo aberto, um redemoinho que levava tudo – inclusive as rosas que, minutos depois, estariam ao chão. 09/06/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES

 

NO OLHO DA RUA

O trânsito parou – ele estava próximo do meio da rua, próximo do cruzamento, próximo das faixas de pedestres. Estava imóvel, de mãos nos bolsos da calça.
O tempo estava meio frio. Deixava-o meio abalado, somado aos últimos acontecimentos: tudo meio parado.
Olhava-se interiormente e começava a entender o que significava estar no meio da rua, depois de anos e anos de trabalho no mesmo lugar.
Pedia-se evolução. Negava-se a enquadrar nos meios. Logo, o resultado. 12/06/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES

MEUS FOLHETINS

FOLHETIM 20

FOLHETIM 19

FOLHETIM 18..FOLHETIM 17FOLHETIM 16..FOLHETIM nº 15

FOLHETIM Nº 14..FOLHETIM 13

FOLHETIM 12..FOLHETIM 11

FOLHETIM 10..FOLHETIM 09

FOLHETIM 08..FOLHETIM 07

FOLHETIM 06..FOLHETIM 05

FOLHETIM 04..FOLHETIM 03

FOLHETIM 02..FOLHETIM 01

DÊ UM CLICK E ACESSE OS FOLHETINS

(18) 99702-5883 - contato

 

SITE: AS NOTÍCIAS DE SUA CIDADE E REGIÃO

(Em construção) Em breve contaremos com mais um site que virá de encontro aos interesses da população, com notícias de sua cidade e região - Araçatuba / SP

 

BOA DICA - FAÇA SEU GIBI...

.

Lembre-se que:

847 mil réis foram pagos pelo aluguel do Teatro Municipal de São Paulo para realização da 'Semana de Arte Moderna de 1922'.

.

CONCURSOS LITERÁRIOS

.

É proibido fazer cópias do conteúdo deste site - entre em contato, peça autorização. Saiba que plágio (copiar) é crime previsto no Artigo 184 do Código Penal, Lei 9.610.

As matérias aqui postadas, quando de não autoria de Pedro César Alves, têm autorização dos escritores, e ou Prefeituras, Departamentos - ou são de domínio público.

** Algumas imagens são tiradas de sites da net para simples ilustração.

.

Site organizado/coordenado por: Prof. Pedro César Alves - MTE nº 71.527-SP.

.

CONTATO

FALE COM O PROF. PEDRO CÉSAR

(18) 99702-5883

ARAÇATUBA / SP

.

*

.

contador de visitas

Voltamos à marca inicial após 100 mil visitas!

Copyright Editor

Prof. Pedro César Alves

Todos os direitos reservados

2010-2014

 

SEJA UM PATROCINADOR

Montagem criada Bloggif

Montagem criada Bloggif

COMO PUBLICAR

Seu texto publicado on line
e impresso em tabloide.

ACESSE-CONFIRA-PARTICIPE

E A BAIXO CUSTO

literaturabrasil@terra.com.br

FOLHETIM Nº 22

FOLHETIM Nº 21

 

 

ADQUIRA AGORA

APENAS UM CLICK