(18) 99702-5883

CONTATO

 

MAPA DO SITE

***-***-***-***-***-***-***-***-***

***-***-***-***-***-***-***-***-***

***-***-***-***-***-***-***-***-***

TEMPO NA REGIÃO

***-***-***-***-***-***-***-***-***

EF no 'PARAISÃO"

2011 - EF no 'PARAISÃO'

Prof. Pedro César - Coordenador

***-***-***-***-***-***-***-***-***

PORTAL DA PM ARAÇATUBA - SP

02/12/1908 - 02/12/2013 = 105 ANOS

***-***-***-***-***-***-***-***-***

LITERATURA COMENTADA

***-***-***-***-***-***-***-***-***

COLUNA "ESCREVER... É ARTE"

CRÔNICAS PUBLICADAS EM 2014

CRÔNICAS PUBLICADAS EM 2013

CRÔNICAS PUBLICADAS EM 2012

CRÔNICAS PUBLICADAS EM 2011

CRÔNICAS PUBLICADAS EM 2010

CRÔNICAS NÃO PUBL. - 2013

CRÔNICAS NÃO PUBL. - 2012

CRÔNICAS NÃO PUBL. - 2011

 

***-***-***-***-***-***-***-***-***

Prof. Pedro César Alves tem livro publicado, além de participações em coletâneas e on-line.

LIVROS DO PROF - BAIXE-OS

POESIAS DO PROF - 1999-2014

LEIA: UMA LOCOMOTIVA...

***-***-***-***-***-***-***-***-***

LER EXERCITA O CÉREBRO!

***-***-***-***-***-***-***-***-***

RECANTO DAS LETRAS

Textos de Pedro César Alves

.

Pedro César Alves, Cadeira 199 (desde2002)

 

 

RELÓGIO DE PÊNDULO

Click na imagem acima e leia o conto "RELÓGIO DE PÊNDULO", premiado no 26º Concurso de Contos 'Cidade de Araçatuba' / 2013.

***-***-***-***-***-***-***-***-***

CONCURSOS LITERÁRIOS

***-***-***-***-***-***-***-***-***

RECONHECIMENTO

TROFÉU ODETTE COSTA - 2011

Troféu 'Odette Costa - 2011'

- por 'Divulgação Cultural'

.

VOTO DE APLAUSOS

No dia 13/02/2012, às 19h, na Câmara dos Vereadores, em Araçatuba, recebi 'Voto de Aplausos', indicado pelo Vereador Prof. Cláudio, e subscrito pelos onze vereadores - pelos relevantes serviços prestados junto à comunidade, através do Programa Escola da Família e 1º CulturArte/2011, na EE "Dr. Clóvis de Arruda Campos" - Paraisão.

.

REVISTA

Revista 'Plural', da Academia Araçatubense de Letras, 20 anos, 2012.

Participação do prof. Pedro César Alves, p. 125/126,

Texto: "Caminhar faz crescer"

 

***-***-***-***-***-***-***-***-***.

REFLEXÕES (IM) PARCIAIS

EDIÇÃO Nº 001

***-***-***-***-***-***-***-***-***.

 

ARQUIVOS EM PDF

 

CRÔNICAS 2011

CRÔNICAS DE JUNHO

CRONICAS DE MAIO

CRÔNICAS DE ABRIL

CRÔNICAS DE MARÇO

CRÔNICAS DE FEVEREIRO

CRÔNICAS DE JANEIRO

CRÔNICAS 2010

CRÔNICAS DE DEZEMBRO

CRONICAS DE NOVEMBRO

 

***-***-***-***-***-***-***-***-***

SITES DE AMIGOS

SITE - DICIONÁRIO

Prof. Mário César Rodrigues

***

SITE TELESCÓPIO - ARAÇATUBA

Leiam 'Site Telescópio' (Everi Carrara)

***

RESTAURAR - ARTE SACRA

Conheça o blog acima... e veja como toda arte pode ser restaurada...

***

Leiam 'Cia dos Blogueiros'

***

 

REFLITA UM POUCO...

 

..***-***-***-***-***-***-***-***-***

 

SITES INTERESSANTÍSSIMOS

ACORDO ORTOGRÁFICO

CONJUGADOR DE VERBO

LIVROS DE DOMÍNIO PÚBLICO

MUSEU VIRTUAL DE BRASÍLIA

MÚSICAS - 100 MAIS EM 100 ANOS

PORTA-LIVROS

RESUMOS LITERÁRIOS

RESUMOS LITERÁRIOS DE A - Z

VIAJAR PELO MUNDO? ACESSE.

.***-***-***-***-***-***-***-***-***

1ª CulturArte 'PARAISÃO'

PROJETO PARAISÃO - 2011

 

.***-***-***-***-***-***-***-***-***

Praça do Guanabara:

Pedro César e filhos: Júlio e Carol.

***

Dia 15/5, domingo, na Virada Cultural, o escritor Ignácio Loyola Brandão ministrou excelente palestra no Teatro Municipal "Paulo Alcides Jorge". Antes, houve apresentações de membros do Grupo Experimental e da Academia Araçatubense de Letras.

.

EM 2014:
"Se existir guerra, que seja de travesseiro; se for pra prender, que seja o cabelo; se existir fome, que seja de amor; se for pra atirar, que seja o pau no gato-t-ó-tó; se for para esquentar, que seja o sol; se for para atacar, que seja pela pontas; se for para enganar, que seja o estômago; se for para armar, que arme um circo; se for para chorar, que seja de alegria; se for para assaltar, que seja a geladeira; se for para mentir, que seja a idade; se for para algemar, que se algeme na cama; se for para roubar, que seja um beijo; se for para afogar, afogue o ganso; se for para perder, que seja o medo; se for para brigar, que briguem as aranhas; se for para doer, que doa a saudade; se for para cair, que caia na gandaia; se for para morrer, que morra de amores; se for para violar, que viole um pinho; se for para tomar, que tome um vinho; se for para queimar, que queime um fumo; se for para garfar, que garfe um macarrone; se for para enforcar, que enforque a aula; se for para ser feliz, que seja o tempo todo; se for pra cheirar que seja a flor; se for pra fumar que seja a cobra; se for pra picar que seja a mula.” - - enviado por Carlito Lima.

.

OBS.: Se você precisa publicar algum trabalho para obtenção de notas para o seu Curso Superior, entre em contato!

TROFÉU ODETTE COSTA - 2011

LER É O MELHOR CAMINHO

(18) 99702-5883 - Prof. Pedro César Alves - MTE nº 71.527-SP.

O MUNDO ESTÁ EM CRISE, NÓS ESTAMOS EM CRISTO!

ESTE SITE VALORIZA A EDUCAÇÃO E A CULTURA

BEM-VINDO

SITE EM CONSTANTE ATUALIZAÇÃO

PROFESSOR PEDRO CÉSAR NO "TANTAS PALAVRAS 2 "

LANÇAMENTO NA BIENAL/SP e MAAP/ARAÇATUBA-SP

LANÇAMENTO

EM BREVE

CLICK NA IMAGEM PARA LER A MATÉRIA COMPLETA

FOLHETIM 20

FOLHETIM 19

No final desta página você encontra outros números do FOLHETIM.

 

EDMARY CHACON

BLOG: HISTÓRIAS E NOSTALGIAS

A escritora Edmary Chacon em seu blog relata, diretamente do túnel do tempo, as mais belas 'histórias e nostalgias' que ouviu de amigos e parente e, ou vivênciou - Bilac / SP

 

LIMPANDO O BAUZINHO

Às vezes vou à Igreja – não sou aquele fiel constante como deveria ser (como dizem que precisamos ser, e eu também digo – mas muitas vezes me vejo não fazendo o correto), mas tento fazer a minha parte – e sempre vou pensar assim, independentemente da Igreja que entrar, pois vou para ouvir e atentamente o sermão.
Cmecei este texto assim para dizer que na última semana fui à Igreja e na hora do sermão foi dado como exemplo o título acima: limpeza do baú. Mas a partir desta ideia pode se pensar tantas coisas – verdade ou não, logo vou apoiar na história que ouvi e somados aos meus conhecimentos de mundo, aos meus conhecimentos religiosos vou relatar uma pequena história e que cada um, ao final, retire a sua parte colocando-a em prática.
Vale lembrar, antes que reclamam, que o cronista apoia os seus manuscritos em fatos do dia a dia, em história que ouve, em situações que observa – logo, tudo isso passa a ser material para exploração de futuros textos – inclusive, faz parte do ofício do cronista andar com uma cadernetinha e uma caneta para anotar tudo que, possivelmente, possa ser apanhado de ideias para um texto – pelo menos é isso que ensino nos meus Cursos de Crônicas.
E as palavras ditas no sermão ficaram martelando dentro da minha mente, e diziam (uso as minhas palavras para contar, e não as do pregador, pois seria eu um falso em dizer que tudo ele falou, mas assimilei o recado e reescrevo aqui a partir do meu ponto de vista, tentando não fugir muito da real pregação): um garotinho ‘achou’ um pequeno baú no sótão da casa do bisavô, trouxe-o para baixo e pediu ao bisavô o bauzinho. O bisavô, sem muitas restrições, deixou o garoto levar, e recomendou que cuidasse muito bem daquela relíquia.
O garoto levou-o para sua casa, limpou-o bem por fora e o colocou de enfeite em seu quarto. Todos os dias, da sua cama, ficava observando o bauzinho. Um dia, com um pouco mais de idade, observou que limpara o bauzinho apenas por fora – que brilhava –, mas por dentro não mexera. Levantou-se da cama, pegou-o na mão. Observou que precisaria de uma chave para abri-lo. Correu à casa do bisavô.
O bisavô ouviu calmamente o bisneto e disse: ‘Você não é muito curioso. Há quanto tempo estás com o baú e só agora a curiosidade de saber o que tem dentro? Aqui está a chave, mas muito cuidado!’ – o garoto, de posse da chave, dirigiu-se para a sua casa. Em seu quarto, com o bauzinho em mãos, abriu-o.
Por dentro muita poeira; pequeninas coisas – talvez recordações de uma época que não se volta mais. Começou a tirar os mimos de dentro e a limpá-los. Por último ficou o bauzinho. O garoto pegou um pano seco (recordando as palavras do bisavô para ter o máximo de cuidado) e tirou o pó – mas não saiu tudo. O tempo é um senhor rigoroso... Dirigiu-se, com o bauzinho em mãos, para a área dos fundos, umedeceu o pano na torneira do tanque e começou a esfregar no bauzinho para limpá-lo. Queria vê-lo brilhar por dentro também.
Foi neste exato momento que o menino usou mais força para remover as marcas mais velhas, que o bauzinho escorregou das mãos do garoto e, como se fosse mágico, com pés mágicos, com mãos mágicas, correu sentido da rua – abriu o portão e pela rua abaixo se foi... – nunca mais voltou... Nunca mais se teve notícias do bauzinho!
Fico aqui pensando: às vezes somos, ou tentamos ser, espertos – ou ainda, por fora nos mostramos de acordo com as regras sociais, de acordo com as regras religiosas que seguimos, mas quando nos sentimos apertados, aflitos, que mostramos quem realmente somos. Mais de oitenta por cento fogem dos compromissos com Deus quando colocados em ‘prova’ – e independente da religião que seguem. Por quê?
Por que somos iguais – muitas vezes – ao bauzinho? É de se pensar... Mas, um pouco mais fundo, temos a resposta – há dentro das Sagradas Letras uma passagem que diz que para sermos purificados, temos que ser provados no ‘fogo’, pois como assim se purifica o ouro, assim as aflições purificam o ser humano. Então... Não desanimes se estiveres com provações, pois as provações poderão sempre edificar o Homem. 20/08/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES

 

INFÂNCIAS DIFERENTES

Precisava, com certa urgência, escrever. Vários assuntos vieram-me à mente: pessoas e as suas mais variadas atitudes; o mundo e tudo que nele há de belo; o aprendizado que a vida proporciona, entre outros. Mas um não saiu da cabeça: infância – a começar pela minha, pois falar do outro é fácil, mas de nós é meio complicado.
Não tenho muitas lembranças desta fase da minha vida, mas o pouco que me resta é o bastante para o saber que foi bem diferente das situações que vejo hoje. Naquela época os pais mandavam – hoje os filhos fazem de tudo para mandar nos pais e estes, de certa forma, acabam concordando e deixando os filhos fazerem o que querem.
Os brinquedos são diferentes: hoje vejo pequeninos brincando com joguinhos eletrônicos no computador, no celular – na minha época (até podem dizer que é saudosismo) brincávamos com coisas simples – um carrinho feito de madeira e rodas de carretel de linha (também de madeira), por exemplo. Alguns carrinhos de plásticos – e não muitos, pelo menos eu não tinha muitos: sempre tive vontade de ter um carrinho do corpo de bombeiros e, quando ganhei, dele não largava. Eram coisas que realmente valiam ter. Infância!
Lembro-me, também, da coleção de bolinhas de gude (bolinhas de vidro) – uma mais bonita que a outra, coloridas e, como sempre, uma tendência maior para as de cor verde: natureza e o time do meu coração. Jogávamos na escola, na terra, com quatro buracos, sendo três seguidos e um à direita, ou à esquerda. Às vezes jogávamos 'valendo' – e quem ganhasse a partida (ir, voltar e ir novamente) levava a bolinha de vidro do adversário embora. Ficava muito sentido quando perdia, quando ganhava era pura festa.
Da minha infância também recordo os livros exigidos pelos professores. Minha família se esforçava e eu tinha todos os livros que os mestres pediam. Recordo que o primeiro livro que li – 'A Ilha Perdida', de Maria José Dupré, depois 'A Serra dos Dois Meninos' - e estes eu tinha até pouco tempo, quando oportunamente doei a uma biblioteca (foram mais de cem livros doados). Perguntar aos jovenzinhos de hoje sobre livro – já sabemos a resposta. E, quando por dever do ofício, peço que leiam, é uma reclamação só! E, pensando nisso, instituímos na escola – pelo menos uma hora de leitura por semana – e em sala de aula!
Podemos dizer que os tempos são outros, sabemos disso – mas as diferenças estão acentuadas de mais. Os dias passam. E mais acentuadas as diferenças. O que fazer? Eis a pergunta que não quer calar; ainda não há uma resposta definida. Há vários caminhos que indicam várias respostas – ainda bem que somos humanos e continuamos sempre a buscar respostas.
Recordei agora, que quando criança queria colecionar figurinhas – não tinha poder aquisitivo para tal (só tive um álbum de figurinhas: de Ciências). Muitos amigos de escola tiveram esta oportunidade (infâncias diferentes). Adolescências diferentes: catorze para quinze anos – trabalho e com carteira assinada. Hoje até colecionam, mas parece que não há aquela paixão verdadeira por colecionar. Creio que quando não se pode fazer plenamente o que se quer – no caso aqui colecionar figurinhas, a paixão é maior.
Citando colecionar, outro dia – uns três ou quatro anos atrás, comprei de uma colega de trabalho uma coleção de cartões telefônicos: duas pastas enormes de colecionador e uma caixa de sapatos lotada – recordo que foi um acontecer em minha vida: uma paixão concretizada. Uma vontade de infância colocada em prática – creio que muitas outras vontades são colocadas em prática a partir do momento que começamos a ter mais regalias. Ou, a partir do momento que podemos decidir o que queremos.
E, se compararmos as infâncias, notaremos muitas diferenças – inclusive na maneira de educar os pequenos. Fico a imaginar daqui a alguns anos como essas diferenças serão mais acentuadas e nós, os mais velhos, assustaremos com determinadas situações. Perguntamos a nós mesmos: o que será deste mundo nos próximos anos frente a esta geração moderníssima? 1508/08/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES

 

TECNOLOGIA A NOSSO FAVOR

Muitos cidadãos que gostam de escrever, que são amantes da escrita, sentem-se frustrados quando descobrem que não possuem poder aquisitivo suficiente para a publicação de suas ideias e em consequência de fator, param de escrever. Mas já está na hora de pensar diferente: essa época já passou. E poucos, apesar de toda tecnologia a favor, usufruem deste conhecimento.
Pode parecer um pouco complicado, mas não é, basta ter um pouco de coragem e sair à luta, começando pela publicação on-line – a publicação em e-books. Há muitos sites que hoje oferecem plataformas em que o autor se cadastra e 'monta' o seu e-book, disponibilizando-o para venda. E vale ressaltar que a porcentagem de lucro na venda do e-book é maior que a publicação tradicional. Mas, também vale ressaltar, que muitos ainda gostam do livro impresso nas mãos.
O Brasil, na América Latina, foi pioneiro neste serviço, através da plataforma do Clube de Autores. E, soma-se a isso, com o surgimento de outros sites de mesmo segmento (www.perse.com.br), a publicação pode ser feita a partir de baixa tiragem impressa – por exemplo: você escreve a sua história e manda publicá-la em apenas um exemplar. Confere de perto o que produziu, faz as correções necessárias – toda plataforma oferece o reeditar do texto (o que é chamado de miolo).
Outro ponto interessante é que não se faz necessário colocar o material para venda (isso em algumas plataformas) – logo, também pode servir para 'guardar' o arquivo. Mas, penso aqui com meus botões: ter a obra escrita e, com oportunidade de tê-la em mãos, por que não publicar? É uma 'coceirinha' que todo escritor tem: ver o que fez materializado.
Alguns autores podem pensar de forma diferente – não querem publicar a obra, nem disponibilizá-la em e-book para venda, mas querem que o público leia o que a sua mente pródiga produziu – simples: disponibilizar a sua produção em download gratuitamente (sem problema algum, pois o dono da obra é o escritor e ele faz dela o que bem entender).
Dentro de todo esse processo que para ambos os lados é interessante (autor / leitor), surge o lado educacional: a oportunidade para o aluno de, junto com seus professores, montarem o trabalho que está sendo desenvolvido. Até pensei num projeto para o próximo ano, ou talvez ainda este ano: 'o aluno escritor'. O aluno passa de leitor a escritor e se sentirá muito honrado em ter o seu trabalho publicado e, pelos cálculos que andei fazendo, que andei pesquisando, a um preço bem razoável impresso. Além do mais, que este pode ser deixado apenas em e-book, sem o compromisso de ter a obrigatoriedade de comprá-lo.
E, pensando num todo educacional, a tecnologia está plenamente a nosso favor e cumprindo a função social da escrita. Para o estudante é diferente escrever um texto que vai virar livro, que vai ser lido por várias pessoas (compartilhado), do que escrever só para o professor corrigir. Escrever para 'livro' é ter, vamos dizer assim, um trabalho mui bem valorizado.
Desenvolvendo a escrita, automaticamente se faz o processo da releitura, do corrigir – do construir o belo, pois todos querem da melhor forma o seu trabalho a ser exposto. Logo, o aluno vai perceber a importância do livro em sua vida – vai passar a 'gostar' do livro, a valorizá-lo, pois este sempre estará presente em sua vida. 08/08/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES

 

A ARTE DO BEM VIVER

Viver bem é uma arte – ou é uma arte viver bem? Aliás, o que seria viver bem? E, para você, caro leitor, o que é viver bem? Andei a pesquisar e descobri que algumas pessoas pensam que viver bem é estar realizado emocionalmente, profissionalmente e, de preferência, perto das pessoas que amam. E sem nenhuma exceção.
Concordo quase que plenamente. E, pensando nesta última, viver longe das pessoas que se ama não é nada fácil. Vivendo perto das pessoas que se ama vive-se feliz – não há saudade, pequena palavra de sentido mui grande, que mata!
E continuei a pesquisar – e descobri que amar e ser amado, correspondido, é a melhor opção! Sonhar – como é bom sonhar! E estes sonhos quando compartilhados, melhor ainda. E a partir destes sonhos, criar mecanismos para realizá-los. Logo, implica um pouco de condições dignas de sobrevivência. E pensar assim não é otimismo – é buscar alternativas de realizações e, por consequência, a paz interior.
E em outro lugar achei uma declaração bem interessante: viver bem é viver em equilíbrio. Equilíbrio mental, espiritual, material. É uma boa frase a ser pensada, aliás, uma boa ideia a ser pensada – esse tal equilíbrio, será que conseguimos?
Tirando pela minha pessoa, vejo que é quase impossível! Impossível pelo fato de sermos plenamente humanos – e os humanos sofrem. Veja só este exemplo: as pessoas vivem mal pelo excesso de obrigações, ou seja, criam muitas expectativas em relação a vencer na vida, a ganhar bem na vida, a acumular bens materiais, glória, honra, prestígio – a criar um ‘grande’ nome! E outros pensam até a fazer parte da história – a deixar seu nome na história.
Creio que é interessante deixar o nome na história, mas com certas restrições. Sendo mais claro: respeitando o espaço do outro. Aquele velho dizer: a minha liberdade vai até o limiar de onde começa a do outro. E isso não é correto – pois esquecem o seu mundo interior – esquecem o vivenciar da gratidão. Esquecem o agradecer!
E agradecer é uma das melhores formas de se viver bem. Muitos se preocupam tanto em ganhar que esquecem o agradecer. Esquecem que no jardim há flores e borboletas. Esquecem que nos pomares há frutos. Esquecem que há pássaros nas árvores. Esquecem que há pessoas ao redor – e que um depende do outro. Esquecem o sol e não notam a sua beleza calórica. Esquecem que as pessoas nascem e morrem – esquecem a dor. Esquecem que há partida, que há chegada. Esquecem... Simplesmente esquecem!
Li, também, que a pessoa que tem autoconhecimento sabe trabalhar melhor o seu próprio caminho e não deixa ambição e a vaidade tomarem o lugar dela – quer melhor que essa frase, que essa ideia? E para ter autoconhecimento somente através do tempo, pois somente ele é capaz de proporcionar tamanha serenidade à vida humana.
E, para terminar, naquelas famosas frases de pensadores li o seguinte: ‘Quer viver bem? Tema a Deus, coloque-se no lugar do próximo, divida o pão.’ Então – é pensar e colocar em prática tais conselhos, pois amar a Deus é mandamento; colocar-se no lugar do outro – amar ao próximo como a si mesmo, é mandamento; dividir o pão – eis a questão. Então, pense: fé, esperança e muito trabalho – 'Faça a tua parte - disse Deus - que Te abençoarei'. 02/08/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES

 

ESCRITORES MARCANTES

Hoje presto uma singela homenagem a três importantes nomes de nossa Literatura – nomes que, de um jeito ou de outro, marcaram muito aqueles que são amantes das letras. Eles – cada um em sua proporção – fizeram por merecer as honrarias que receberam. E, para nossa tristeza, apenas lembrá-los a partir de suas produções.
O primeiro nome que cito aqui é do escritor João Ubaldo Ribeiro falecido em 18 de julho. Ocupava a cadeira de nº 34, da Academia Brasileira de Letras – desde o ano de 1993. Ganhou o Prêmio Camões (o oitavo escritor brasileiro a ganhar), o mais importante em Língua Portuguesa, no ano de 2008, e ganhador por duas vezes do Prêmio Jabuti (o mais importante do Brasil) com as obras ‘Sargento Getúlio’ e ‘Viva o Povo Brasileiro’ (1972-1984). Teve algumas de suas obras adaptadas para as telas, como ‘O Sorriso do Lagarto’, ‘O Santo que não acreditava em Deus’.
O segundo nome que cito é o do escritor, pedagogo, teólogo e psicanalista Rubem Alves falecido em 19 de julho. Com mais de 160 títulos publicados – muitos de sua área de atuação, além de infantis, contos e crônicas distribuídos em vários países. Lembro-me que ao ler os seus textos é sempre notável uma atenção ao ato de ensinar, que é um momento único, especial. É considerado uma das principais referências no pensamento sobre educação: ensinar é um ato de alegria, um ofício que deve ser exercido com paixão e arte.
O terceiro nome que cito é o do escritor e dramaturgo Ariano Vilar Suassuna falecido em 23 de julho. Ocupava a cadeira de nº 32, da Academia Brasileira de Letras – desde o ano de 1989. Entre as suas obras, cito ‘Auto da Compadecida’ (1955), ‘A Pedra do Reino’. Há boas frases de Ariano Suassuna que vão ficar na memória: “A massificação procura baixar a qualidade artística para a altura do gosto médio. Em arte, o gosto médio é mais prejudicial do que o mau gosto… Nunca vi um gênio com gosto médio.”, “Que eu não perca a vontade de ter grandes amigos, mesmo sabendo que, com as voltas do mundo, eles acabam indo embora de nossas vidas.” e, para finalizar “A tarefa de viver é dura, mas fascinante.” – e como é fascinante! Com todos os problemas que aparecem, sempre lutamos pela vida que temos, pois só há uma vida!
Agora que estes e outros se foram – estes citados a nível internacional, outros com menor expressão, e nós mortais a brigar com as letras, o que vale é correr atrás de produzir bons textos para no futuro – e não está tão longe, quando desta terra partirmos, sermos lembrados cada um em seu cantinho que deixou um legado cultural em sua terra. Que não passou pela terra simplesmente, mas que passou e deixou marcas que serão sempre lembradas.
E, falando em marcas, fico a imaginar quando retirarem o baú que foi enterrado em frente ao Espaço Ferroviário – falando de Araçatuba: quantas coisas serão lembradas! Lembranças: fiquei comovido ao mexer nas páginas da net e descobrir que existe no Museu ‘Marechal Cândido Rondon’ uma revista – A Cultural – datada de 1939. Relíquia que fui esta semana comprovar de perto.
Voltando ao assunto, quantas coisas daqui a alguns anos serão descobertas destes autores que se foram – obras inéditas (como aconteceu com vários autores que temos conhecimento). Possivelmente, se mexermos carinhosamente nos baús de nossas residências, principalmente de nossos avós, descobriremos coisas do passado que, na atualidade, revelam muitas histórias. Você, caro leitor, já olhou o baú de seus queridos que já se foram? Não é a busca apenas do financeiro, é a busca da história, da história de nosso povo que – nas gerações atuais – poucos se lembram. 26/07/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES

 

OLHAR E ESCREVER

Não sei o motivo, a razão, mas as circunstâncias não eram as mais favoráveis, porque quem de longe olhava notava o que acontecia.
Aqui, bem próximo, ela discutia com ele. Roupas claras, cabelos avermelhados, colar no pescoço e deste pendiam três pimentinhas que ficavam à mostra. Ele de terno branco, gravata-borboleta preta e, nas mãos, rosas vermelhas. Discutiam.
Quem os via, via além deles lá longe, num campo aberto, um redemoinho que levava tudo – inclusive as rosas que, minutos depois, estariam ao chão. 09/06/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES

 

NO OLHO DA RUA

O trânsito parou – ele estava próximo do meio da rua, próximo do cruzamento, próximo das faixas de pedestres. Estava imóvel, de mãos nos bolsos da calça.
O tempo estava meio frio. Deixava-o meio abalado, somado aos últimos acontecimentos: tudo meio parado.
Olhava-se interiormente e começava a entender o que significava estar no meio da rua, depois de anos e anos de trabalho no mesmo lugar.
Pedia-se evolução. Negava-se a enquadrar nos meios. Logo, o resultado. 12/06/2014, Prof. PEDRO CÉSAR ALVES

MEUS FOLHETINS

FOLHETIM 18..FOLHETIM 17..FOLHETIM 16

FOLHETIM nº 15..FOLHETIM Nº 14..FOLHETIM 13

FOLHETIM 12..FOLHETIM 11..FOLHETIM 10

FOLHETIM 09..FOLHETIM 08..FOLHETIM 07

FOLHETIM 06..FOLHETIM 05..FOLHETIM 04

FOLHETIM 03..FOLHETIM 02..FOLHETIM 01

DÊ UM CLICK E ACESSE OS FOLHETINS

(18) 99702-5883 - contato

 

SITE: AS NOTÍCIAS DE SUA CIDADE E REGIÃO

(Em construção) Em breve contaremos com mais um site que virá de encontro aos interesses da população, com notícias de sua cidade e região - Araçatuba / SP

 

BOA DICA - FAÇA SEU GIBI...

.

Lembre-se que:

847 mil réis foram pagos pelo aluguel do Teatro Municipal de São Paulo para realização da 'Semana de Arte Moderna de 1922'.

.

CONCURSOS LITERÁRIOS

.

É proibido fazer cópias do conteúdo deste site - entre em contato, peça autorização. Saiba que plágio (copiar) é crime previsto no Artigo 184 do Código Penal, Lei 9.610.

As matérias aqui postadas, quando de não autoria de Pedro César Alves, têm autorização dos escritores, e ou Prefeituras, Departamentos - ou são de domínio público.

** Algumas imagens são tiradas de sites da net para simples ilustração.

.

Site organizado/coordenado por: Prof. Pedro César Alves - MTE nº 71.527-SP.

.

CONTATO

FALE COM O PROF. PEDRO CÉSAR

(18) 99702-5883

ARAÇATUBA / SP

.

*

.

contador de visitas

Voltamos à marca inicial após 100 mil visitas!

Copyright Editor

Prof. Pedro César Alves

Todos os direitos reservados

- 2010-2014 -

.